terça-feira, 19 de outubro de 2010

COLÓQUIO INTERNACIONAL 1910-2010: COMUNICAÇÃO E EDUCAÇÃO REPUBLICANAS


Nos próximos dias 21 e 22 de Outubro, vai realizar-se no Auditório do Edifício Central do Polo II, o Colóquio Internacional 1910-2010: Comunicação e Educação Republicanas.

Pode ler-se nas razões que se evocam para a realização do colóquio:

A educação, grande aposta dos republicanos, inspirava-se nas concepções iluministas, na filosofia positivista e na própria dinâmica gerada pela revolução francesa dos finais do século XVIII. Ela era entendida como essência da sociedade, o único meio capaz de vencer o obscurantismo de uma sociedade desigual que parecia parada no tempo e a ficar, cada vez mais, distanciada da Europa culta.

Entende-se, por isso, que os republicanos tenham projectado um sistema educativo e estratégias de combate ao analfabetismo como forma de vencer a inércia de uma sociedade profundamente iletrada. Tornava-se necessário apostar na mudança das mentalidades para uma transformação estrutural da sociedade e, deste modo, ser possível dinamizar o aparelho produtivo, consolidar as instituições democráticas, agitar o tecido social substituindo o súbdito pelo cidadão.

No seu ideal ético e utópico, conceberam e sonharam uma sociedade orientada por valores, que se queria mais livre, mais igualitária, mais aberta, mais tolerante, mais solidária, mais racional e mais laica a caminho da democracia.

Simultaneamente, surge neste período de transição entre o século XIX e o século XX, uma imprensa de combate muito relevante, numa primeira fase no desmoronamento da monarquia e, posteriormente, na divulgação dos ideais republicanos. Políticos, intelectuais, escritores todos colaboravam na estruturação do discurso de imprensa, que atingia progressivamente mais públicos de uma população cada vez mais letrada, devido ao investimento na educação.

Por outro lado, a propaganda republicana, a fim de vencer as barreiras do analfabetismo, apostou na divulgação de pequenos textos, na criação de coleções especializadas e na iconografia: a imagem era uma forma de chegar de um modo mais directo a todos os cidadãos. Assim, também postais, bilhetes, panfletos, caixas de alimentos, cartazes constituem um importante campo de investigação para quem queira entender o tipo de ideologia veiculada pelos primeiros republicanos do século XX.

Cem anos depois da Implantação da República, são muitas as heranças dos ideais republicanos que ainda suscitam o debate público: o laicismo nas escolas e nas instituições públicas, a educação para a cidadania, a liberdade de imprensa, a igualdade de oportunidades, a mobilidade social, o diálogo para a diversidade. Estas são razões mais do que suficientes para que promovamos uma discussão aberta em torno daquelas questões, no 3º Colóquio Internacional «1910-2010: comunicação e educação republicanas».


A comissão científica é constituída por:
Ana Teresa Peixinho, António Ferreira, António Martinho,António Pedro Pita, Clara Almeida Santos, Francisco Pinheiro, Isabel Calado Lopes, Isabel Nobre Vargues, João Amado, João Paulo Avelãs Nunes, João Rui Pita, José Vítor Ferreira, Luís Mota, Luís Reis Torgal, Manuel Prata, Manuela Tavares Ribeiro, Maria Amélia de Souza Reis

O programa completo conta com investigadores reputados que vêm apresentar o fruto das suas pesquisas e reflexões. Entre eles encontramos: Felisbela Lopes, Eduardo Sá, Mário Matos e Lemos, Jorge Ramos do Ó, Ernesto Castro Leal, Isabel Nobre Vargues, João Paulo Avelãs Nunes, António Gomes Ferreira, Luís Reis Torgal, João Rui Pita, Heloísa Paulo, entre muitos outros.

O programa detalhado do colóquio pode ser consultado integralmente AQUI.

A.A.B.M.

Sem comentários: