quarta-feira, 13 de setembro de 2017

ANAIS DO MUNICÍPIO DE FARO, VOL. XXXIX


No próximo dia 15 de Setembro de 2017, realiza-se a apresentação do novo número dos Anais do Município de Faro, pelas 17.30 h, 

A apresentação deste novo número da revista estará a cargo do Prof. João Pedro Bernardes. 

Assegurou a Direcção dos Anais nos últimos anos e até ao presente número o Professor Joaquim Antero Romero Magalhães, professor jubilado de História Económica e Social da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

A revista apresenta, conforme se pode constatar pelo índice que abaixo se apresenta, um conjunto de artigos muito interessante. 
Permita-se-nos o destaque para o artigo sobre o bispo D. Jerónimo Osório, o texto sobre Cândido Guerreiro, o regionalismo de Mateus Moreno, por ligações familiares e afectivas o texto sobre o canteiros de S. Brás de Alportel, a política de obras públicas na cidade de Faro, durante o Estado Novo e, por último, a questão da localização da estátua de D. Afonso III na cidade de Faro.

Índice:
07 ANAIS: UMA REVISTA QUE SE RENOVA E QUE INOVA  Rogério Conceição Bacalhau Coelho  
09 APRESENTAÇÃO DOS ANAIS 2017  Joaquim Romero Magalhães  
13 A CERÂMICA PÚNICO-TURDETANA DE FARO NO PERÍODO ROMANO  João de Deus Gomes  
43 NUNO FERNANDES DE ATAÍDE, “O QUE NUNCA ESTÁ QUEDO”  DE ALCAIDE DE ALVOR A CAPITÃO E GOVERNADOR DE SAFIM  Fernando Pessanha  
61 BREVES NOTAS SOBRE D. JERÓNIMO OSÓRIO, BISPO DO ALGARVE  Joaquim Romero Magalhães  
71 O CULTO DA CAPELA DE NOSSA SENHORA DO REPOUSO DE FARO:  DE LIMITADO NICHO A CAPELA SETECENTISTA  Marco Lopes  
83 A DESCOBERTA DE UM “TESOURO” NUMISMÁTICO NA CIDADE DE FARO  Francisco Rosa Correia e Eliana Goufa  
97 O ÓRGÃO DA SÉ CATEDRAL DE FARO E O ÓRGÃO DA SÉ CATEDRAL DE MARIANA:    UMA NARRATIVA CONVERGENTE  Aziz José de Oliveira Pedrosa 
113 PINTURA ANTIGA NO MUSEU MUNICIPAL DE FARO  Patrícia Moreira Félix 
137 ESPAÇO, MEMÓRIA E CULTURA  Fernanda Zacarias 
151 CÂNDIDO GUERREIRO, O POETA QUE FARO SOUBE AMAR  Luísa Fernanda Guerreiro Martins 
163 MATEUS MORENO (1892-1970) E O REGIONALISMO ALGARVIO  A. Paulo Dias Oliveira 181 CANTEIROS DE S. BRÁS DE ALPORTEL  José d'Encarnação 
197 O ARQUITECTO JORGE OLIVEIRA E A POLÍTICA DE  OBRAS PÚBLICAS DO ESTADO NOVO NA CIDADE DE FARO  Isabel Cruz 
229 FARO: A ESTÁTUA DE D. AFONSO III E A QUESTÃO DA SUA LOCALIZAÇÃO  Marco Sousa Santos  
VISTOS E VISTAS 
241 DESPEDIDA  Marília Estêvão de Castro 
251 FARO, TEMPOS IDOS  João Leal 
261 O BAILE  José Matos Guita

Uma revista que vai persistindo apesar das dificuldades, com alguns textos de pesquisa muito interessantes e vão chamar a atenção dos leitores.

Com os votos do maior sucesso para o evento.

A.A.B.M.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

[COIMBRA – 7 DE SETEMBRO] COMEMORAÇÕES DOS 150 ANOS DO NASCIMENTO DE CAMILO PESSANHA



DIA 7 DE SETEMBRO - COIMBRA  COMEMORAÇÕES dos 150 Anos do Nascimento de Camilo Pessanha.

PROGRAMA
 
 
J.M.M.

ENCONTRO DE HISTÓRIA DE LOULÉ

Nos próximos dias 8 e 9 de Setembro de 2017, sexta-feira e sábado, realiza-se o Encontro de História de Loulé, no Auditório do Convento do Espírito Santo.

Este encontro conta com vários investigadores que analisam a História de Loulé desde a Antiguidade Romana, passando pela Idade Média, pela Época Moderna, ao Liberalismo. Estudaram-se acontecimentos, personalidades, marcas e transformações que ocorreram em Loulé ao longo dos tempos e que alteraram a sua configuração e o comportamento dos seus habitantes ao longo do tempo.

O evento é gratuito para todos os interessados, embora seja necessário realizar uma inscrição cuja hiperligação pode ser encontrada mais abaixo.

08 SETEMBRO 
 09h30 Sessão de Abertura 
10h00 Sessão Inaugural 
- Loulé e o Algarve nas Cortes medievais portuguesas, Luís Miguel Duarte 10h30 Debate 
10h45 Pausa
11h15 Painel 1: Património e Legados 
Moderação: Susana Gómez Martínez 
O acervo conquífero romano do vicus portuário Cerro da Vila, Vilamoura, Loulé, Filipe Henriques, Ana Pratas 
Pontes romanas em Loulé?, Isabel Luzia 
As muralhas de Loulé, Alexandra Pires 
12h15 Debate 
12h45 Almoço livre 

14h20 Painel 2: Sociedade, Poderes e Economia 
Moderação: Fátima Botão 
A conquista, o orago e os priores de Loulé, Luís Filipe Oliveira
Judeus de Loulé nos séculos XIV-XV: no prolongamento do al-Andalus, José Tavim 
A produção de figos e passas entre cristãos, judeus e muçulmanos em Loulé, no século XV, Maria Filomena Barros 
15h20 Debate 
15h50 Pausa 

16h20 Painel 3: Espólio Documental - Valorização e Preservação 
Moderação:  Nelson Vaquinhas 
Marcas de água do Arquivo Municipal de Loulé (séculos XIV e XV), Maria de Fátima Machado 
A carta de curso inédita de um bacharel louletano do século XVI (1539), Marco Sousa Santos Recuperação e valorização de documentos do Arquivo de Loulé - Desafios e metodologias de intervenção, Helena Nunes 
17h20 Debate 
17h50 Lançamento do Caderno do Arquivo Loulé e a Grande Guerra, de Ana Paula Pires.


09 SETEMBRO

09h30 Painel 4: Instituições e Quotidiano 
Moderação:  Andreia Fidalgo 
Dinâmicas confraternais seiscentistas na Misericórdia de Loulé: assistência, culto e cultura, Joana Pinho 
Loulé em processos da Inquisição (sécs. XVI-XVIII), Daniel Giebels 
A terra tremeu e a vida continuou. Quadro da vida quotidiana do concelho de Loulé em meados do século XVIII, Luísa Martins 
10h30 Debate 
11h00 Pausa 

11h30 Painel 5: Os Homens, os Conflitos e os Movimentos Migratórios 
Moderação: Joaquim Rodrigues 
Loulé e as lutas liberais, José Carlos Vilhena Mesquita 
Marçal Pacheco. Um político algarvio do século XIX, Artur Barracosa Mendonça 
A imigração de Andaluzes para a vila de Loulé ao longo do século XIX, João Romero Chagas Aleixo 
12h30 Debate 
13h00 Almoço livre 
14h30 Visita à Estação Arqueológica do Cerro da Vila 

Arquivo Municipal 
18h00 Lançamento do Livro O Município de Loulé nos finais da Época Moderna: economia, sociedade e administração, de Teresa Fonseca 
18h30 Sessão de Encerramento

A inscrição no Encontro de História de Loulé pode ser feita AQUI.
O programa pode ser consultado abaixo (Clicar na imagem para aumentar):
Uma iniciativa que se saúda e que temos todo o gosto em divulgar junto de todos os interessados na temática da História Local. O evento conta com a organização da Câmara Municipal de Loulé e o apoio do CEPAC-Universidade do Algarve e do CIDEHUS - Universidade de Évora.

Com os votos do maior sucesso para a organização e para todos os intervenientes.

A.A.B.M.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

LUÍS GUERREIRO


Provavelmente, como muitos, posso dizer que conhecia o Luís Guerreiro desde sempre, já que pouco mais de uma década nos separava em idade. Cresci em Clareanes, a meio caminho entre Loulé e Querença e os meus familiares conheciam o Luís. Além disso, a colaboração regular que ele mantinha na “Voz de Loulé” era sempre lida com atenção lá em casa, ou não houvesse uma assinatura do jornal local há muitos anos.

Na já longínqua década de oitenta, do século XX, encontrava-o por Loulé. Lembro-me que a sede da “Voz de Loulé”, em dada altura (penso que nos últimos anos da década de oitenta), esteve instalada numa sala das Galerias D. Leonor e ele andava por lá juntamente com o Neto Gomes, até porque já tinha regressado dos seus estudos de engenharia em Lisboa e já trabalhava na Câmara Municipal de Loulé.

No início da década de noventa fui eu que abandonei Loulé para ir estudar História, na Faculdade de Letras, em Coimbra. Logo no meu segundo ano de curso, 1991/1992, aproveitei as férias de Natal e de Páscoa para realizar uma pesquisa no Arquivo Municipal de Loulé, sobre as “Migrações internas a partir do concelho de Loulé (1810-1820)” com base nos livros de passaportes. Texto que alguns anos mais tarde foi publicado na revista Al-Úlyá. No ano letivo seguinte fiz uma abordagem ao final da Monarquia Constitucional e aos confrontos políticos em Loulé nos anos conturbados da transição entre a Monarquia Constitucional e a I República, artigo também publicado na mesma revista com o título “Publicidade, Política e Cultura na Imprensa Louletana (1907-1912)”.

Este gosto pela história local, os livros e publicações antigas sobre o Algarve foram os pontos de contacto que acabaram por nos aproximar. A partir de meados da década de noventa passei a contactar regularmente com o Luís. Depois começamos da contactar via telefone, mais tarde via email e depois via facebook.

Durante as férias fazíamos sempre os nossos encontros. Desculpem a inconfidência, mas excepto dois ou três amigos mais chegados e a família, era dos poucos com quem mantinha um contacto regular e gostava muito das nossas trocas de ideias e de conhecimentos. Um café aos sábados no Calcinha, em Loulé, ou noutros espaços eram habituais durante os meses de Verão e, muitas vezes, no período do Natal, e conversas que eram como as cerejas, sobre os mais variados temas, incidindo quase sempre sobre as figuras, os episódios e as fontes sobre a história de Loulé e do Algarve. As edições que cada um de nós tinha e que encontrávamos nas nossas deambulações pelas feiras de velharias e pelos alfarrabistas. Numa dessas conversas começou a falar-se da necessidade de existir de forma acessível um local onde se reunissem as publicações periódicas algarvias. Nós que adoramos os papéis velhos, que para muitos são lixo, sentíamos que era importante reunir e estudar essa informação/documentação. Os arquivos e museus do Algarve, tal como a própria Universidade do Algarve, na maior parte dos casos, são recentes e a informação da imprensa regional onde se encontra informação inestimável está muitas vezes em Lisboa, Coimbra e Porto, longe dos investigadores que têm vindo a aumentar. Pode parecer estranho, para alguns menos informados, mas alguma colecções mais antigas de periódicos não existem no Algarve, ou se existem são muito incompletas. Esta situação obriga os investigadores a partir para a Biblioteca Nacional, em Lisboa, para a Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra ou para a Biblioteca Pública Municipal do Porto, para se poder consultar os jornais e revistas que se publicaram pelo Algarve. Não fazia e não faz sentido!!! Isto tornava e torna bastante onerosa qualquer investigação que obrigue a estas deslocações.

Estes interesses comuns e o gosto pelos mesmos temas levaram a que me convidasse a participar para uma conferência no Arquivo Municipal de Loulé, em Abril de 2003, numa altura em tentava ultimar o texto da dissertação de mestrado sobre “Os Republicanos e o Republicanismo no Algarve (1870-1910)”, que infelizmente acabou por nunca ser concluída. O texto dessa conferência acabou por nunca ser publicado, mas existe em papel e já foi citado em vários trabalhos sobre a temática “A Organização do Partido Republicano no Algarve: o caso de Loulé (1881-1910)”. Mais tarde, através do Luís, participei no I Curso Livre de História Contemporânea do Algarve (2008), organizado pela Fundação Manuel Viegas Guerreiro. Encontramo-nos também entretanto na última edição do Congresso do Algarve em 2007 e, mais tarde, no Congresso Outras Vozesna República, realizado na Figueira da Foz em 2011, entre vários outros.

Foi este interesse do Luís pela I República, em particular no Algarve, que o terá levado a convidar-me para o ajudar na realização da Exposição sobre “Mendes Cabeçadas e a República no Algarve”[ver nota AQUI.]. O seu entusiasmo neste empreendimento, o sucesso que a mesma teve na época e a edição do catálogo da mesma foram momentos que partilhamos entre nós. Fica a memória dos episódios, das conversas e das partilhas de informação.

Pessoalmente, estivemos juntos pela última vez no Verão de 2016, quando a doença já se tinha manifestado. Estivemos juntos durante um bom bocado à conversa. Chegou acompanhado pela esposa, com um sorriso nos lábios, aquele sorriso simpático, afável que cativava, e trazia um conjunto de livros para oferecer. Eu estava um pouco temeroso na abordagem, era normal, depois de saber da doença, mas a conversa à volta de um chá e de um café foi normal. Porém, a dada altura manifestou o seu cansaço. Os tratamentos ainda duravam, mas havia esperança.

Trocamos algumas mensagens até Maio de 2017, na altura da 2ª edição do FLIQ, quando através de amigos comuns soube que tudo se tinha complicado. Infelizmente, apesar do combate, da resistência, dos tratamentos, o Luís partiu. Perdi um AMIGO, mas a família perdeu um ente querido. É estranho estar em Loulé e não fazermos as nossas tertúlias…


Cabe-nos a nós levarmos a bom termo alguns dos projectos que tinha entre mãos, sobretudo a questão da Hemeroteca Digital do Algarve, obtendo financiamento através do orçamento participativo.

Este texto e muitos outros que foram convidados a participar na homenagem por ocasião do aniversário do nascimento de Luís Guerreiro podem ser consultados AQUI.


A.A.B.M.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

[ASSOCIAÇÃO CULTURAL 24 DE AGOSTO] NA EVOCAÇÃO DA REVOLUÇÃO LIBERAL E HOMENAGEM A MANUEL FERNANDES THOMAZ – FIGUEIRA DA FOZ



DISCURSO PROFERIDO NA EVOCAÇÃO DA REVOLUÇÃO LIBERAL E HOMENAGEM A MANUEL FERNANDES TOMÁS NO DIA 24 DE AGOSTO DE 2017, NA FIGUEIRA DA FOZ, pela Associação Cívica e Cultural 24 de Agosto

“A Figueira da Foz continua a celebrar orgulhosamente os aniversários da Revolução Liberal de 24 de Agosto de 1820. Sob a luz que nos é proporcionada pelo nosso conterrâneo Manuel Fernandes Tomás continuamos, nesta terra, a reunir-nos, neste momento simbólico, e a assinalarmos, em conjunto, esse momento único da história da pátria em que de súbditos passámos a cidadãos.

E este encontro anual continua a ser importante. É importante porque uma cidade também se faz das tradições que se vão construindo. Das suas figuras históricas mais relevantes. Da marca cívica que elas tenham deixado. Do exemplo que tenham legado às gerações seguintes. E a Figueira da Foz tem muitas dessas personagens de quem se pode orgulhar e a quem deve prestar culto. A cidade e as suas instituições têm-no feito e é caminho que deve ser continuado. É a cidade que se une e se revê na vida e na obra dos seus mais ditosos filhos.

E à cabeça desse grupo de personalidades está, evidentemente, a figura quase tutelar de Manuel Fernandes Tomás.

Não valerá a pena repetir os aspectos centrais da sua biografia. Ela é razoavelmente conhecida e a sua valentia, probidade e a inteligência estão bem inculcadas nas mentes e nos corações da grande maioria dos figueirenses. Para isso, vale a pena dizer, em muito contribui a majestosa estátua que, há mais de 100 anos, um grupo de homens generosos lhe quis erigir.

A propósito da majestosa estátua convém dizer – e isso nem sempre é notado – que o topónimo da Praça onde está se encontra não poderia ser mais adequado. O 8 de maio de 1834, com a chegada, a Coimbra, do contingente de tropas liberais comandadas pelo Duque da Terceira colocou, praticamente, um ponto final num dos mais sangrentos períodos da história portuguesa. Passado poucos dias, a 26 de maio, a chamada “Convenção de Évoramonte” deu letra de forma a esse armistício, consumando a instituição, entre nós, de uma monarquia de índole liberal.

Mas voltando ao 197º aniversário que hoje assinalamos, importa dizer que a distância temporal a que já estamos dos acontecimentos retira-nos, talvez, alguma capacidade para captar, na íntegra, a importância da revolução liberal no curso da história do país.

O levantamento de agosto de 1820 colocou, naquele então, o nosso país na linha frente, no concerto ocidental, no plano da consagração legal dos direitos civis e políticos, na liberdade de expressão e de reunião e na separação de poderes.

E hoje, desde o 25 de abril, esses adquiridos são-nos tão familiares que nem nos apercebemos bem de quão revolucionários eles foram nos alvores do séc. XIX.

É também importante lembrar que as conjuras contra o absolutismo exigiam uma coragem bem diferente daquela que hoje, comodamente, sentados em frente ao computador, através das redes sociais, se usam para criticar tudo e mais alguma coisa. Se acaso fosse preciso prova, menos de três anos antes da revolução liberal, o martírio do Gomes Freire de Andrade estava aí para o comprovar.

E é por isto. É por tudo isto, que, na Figueira da Foz, continuamos a celebrar o 24 de agosto e exaltamos a memória de Manuel Fernandes Tomás. Porque o seu exemplo nos ilumina o caminho. Porque queremos ser cidadãos livres num país livre.

Viva a liberdade!”
 
[Associação Cívica e Cultural 24 de Agosto, 24 de Agosto de 2017] - | sublinhados nossos
J.M.M.

domingo, 27 de agosto de 2017

[GRANDE ORIENTE LUSITANO – MAÇONARIA PORTUGUESA] NA EVOCAÇÃO DA REVOLUÇÃO LIBERAL E HOMENAGEM A MANUEL FERNANDES THOMAZ – FIGUEIRA DA FOZ



DISCURSO PROFERIDO NA EVOCAÇÃO DA REVOÇUÇÃO LIBERAL E HOMENAGEM A MANUEL FERNANDES THOMAZ NO DIA 24 DE AGOSTO DE 2017, NA FIGUEIRA DA FOZ, pelo Grande Secretario Geral do Grande Oriente Lusitano – Maçonaria Portuguesa

“Em nome do Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano quero expressar a todos os presentes a satisfação de estarmos aqui para lembrarmos o nome de Manuel Fernandes Tomás ilustre cidadão a quem nós, hoje, neste dia e em todos os dias do ano muito devemos: o direito de sermos cidadãos com direitos e deveres perante o todo social. O direito do primado da lei, da separação de poderes, de uma Constituição ter plasmado um conjunto de normas que constituem a garantia de um Estado de direito.

Não queremos deixar de destacar a importância deste momento e que vai muito além de comemorarmos uma data. Ao estarmos aqui reunidos lembrando um filho desta terra, ao destacarmos a figura do cidadão Fernandes Tomás, estamos a dar referências de valores e de cidadania às gerações atuais. Saudamos, por isso, a Câmara Municipal da Figueira da Foz, a Associação 24 de Agosto e a Associação Manuel Fernandes Tomás por este ato. Saudamos todos os maçons de todas as Obediências, homens e mulheres, e saudamos também, e naturalmente de uma forma muito especial, a Loja Fernandes Tomás do Grande Oriente Lusitano, ao ter como patrono este nome ímpar da história portuguesa e ao encontrar nele um exemplo para o seu trabalho de todos os dias.

Existem maçons hoje na Figueira da Foz? Sim, existem e têm orgulho nisso. Tal como no passado existiram associações de apoio aos mais desfavorecidos, aqui a Maçonaria criou escolas e exerceu uma profunda influência cultural e cívica através de associações e jornais. Na história da cidade existe o registo da atividade de diversas Lojas que honraram a memória de inúmeros cidadãos naturais da cidade, ou que a ela estiveram ligados pela sua atividade profissional ou política. Nomes como António Augusto Esteves, escritor e bibliófilo, Maurício Águas Pinto, fundador dos Rotários figueirenses, Joaquim de Carvalho, ilustre professor universitário, Joaquim António Feteira, comerciante, Goltz de Carvalho, professor e naturalista, António dos Santos Rocha, advogado, arqueólogo e cujo nome se perpetua no Museu da cidade, do poeta João de Barros, ou de Gentil da Silva Ribeiro, simultaneamente operário, dirigente republicano e impulsionador do associativismo e da imprensa local têm além da sua condição de figueirenses a qualidade de terem sido maçons do Grande Oriente Lusitano.

Qual a relação de tudo isto com Manuel Fernandes Tomás? O Grande Oriente Lusitano – Maçonaria Portuguesa sente particular orgulho em ter contado de entre os seus membros um Homem com a grandeza de Manuel Fernandes Tomás tal como sente orgulho nos maçons que hoje, como nos trabalharam na Figueira da Foz.

Ao evocarmos Fernandes Tomás e celebrarmos o dia 24 de agosto estamos a recuar à Revolução Liberal de 1820. Estamos a relembrar o homem que encarnou a alma dessa revolução, cuja matriz era a elaboração de uma Constituição, expressão de uma cidadania composta pela participação de todos da vida da sociedade, moldada em direitos e deveres para com o todo social. Estamos também a manter vivas as ideias do Bem Comum e do bom governo que fizeram história a partir do século XVIII, com as teorias de Locke, Hobbes, Montesquieu ou Rousseau. Aliás, é este quem afirma que a Lei depois de aprovada pelo soberano, sendo este o povo reunido em assembleia, se converte em vontade geral, que será posteriormente executada pelo governo, grupo de homens particulares a quem cabe a aplicação concreta das leis, e que naturalmente nunca vai contra o Bem Comum”.
 
[Grande Secretario Geral do Grande Oriente Lusitano – Maçonaria Portuguesa, 24 de Agosto de 2017] | sublinhados nossos
 
J.M.M

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

[FIGUEIRA DA FOZ] 24 DE AGOSTO (18,00 H) – CELEBRAÇÃO EVOCATIVA DA REVOLUÇÃO LIBERAL E HOMENAGEM A MANUEL FERNANDES TOMÁS


FIGUEIRA DA FOZ - HOMENAGEM a Manuel Fernandes Tomás e à Revolução Liberal de 1820.

 
PROGRAMA PARA O DIA 24 DE AGOSTO:

 
18.00 Horas - Deposição de uma coroa de flores junto à estátua de Patriarca da Revolução Liberal, Manuel Fernandes Tomás, na Praça 8 de Maio;

 
18.30 HorasSessão Solene Evocativa da Revolução Liberal e do Percurso Cívico e Político de Manuel Fernandes TomásSalão Nobre do Edifício dos Paços do Concelho.

 


INTERVENÇÕES: Presidente da Associação Cívica e Cultural 24 Agosto | Grande Oriente Lusitano | Presidente da Associação Manuel Fernandes Tomás | Câmara Municipal da Figueira da Foz | Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Juiz Conselheiro Dr. António Silva Henriques Gaspar [que preside às Celebrações]


 
J.M.M.

domingo, 20 de agosto de 2017

VERGÍLIO FERREIRA, NOS FICHEIROS SECRETOS DO SEMINÁRIO DO FUNDÃO



Ficheiros Secretos” – por António Valdemar, in Caderno E, Expresso
 
O escritor, o poeta, o filósofo e outras figuras intelectuais e artísticas deverão ser estudados, a partir da sua vida real, de actos e factos concretos que surgiram desde o nascimento á morte; ou os estudos e interpretações deverão, apenas, circunscrever-se às circunstâncias que se tornam evidentes através da sua obra?
 
Arnaldo Saraiva, professor catedrático da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, tem adotado a primeira destas metodologias numa série de folhetos acerca de figuras públicas. O último intitula-se: "Vergílio Ferreira, Seminarista nos seminários do Fundão e da Guarda".
 
Uma investigação de extrema minúcia permitiu-lhe reconstituir o que se ignorava das origens familiares: o pai, fogueteiro, a mãe, doméstica, emigrantes nos Estados Unidos e que emprestavam dinheiro a juro; a criança a cargo da avó e das tias; Vergílio Ferreira estudante aplicado na escola primária e com aproximação diária à igreja (o tio-avô era o pároco), a ajudar à missa, e em latim, antes dos seis anos; a tocar violino e a participar nas atividades de organizações católicas (Congregação dos Filhos de Maria e Agregação do Santíssimo Sacramento).
Com a classificação de Muito-Bom, no exame geral da quarta classe do ensino primário, entrou, aos 10 anos, em 1926, no Seminário do Fundão. Arnaldo Saraiva procurou, fundamentalmente, apurar tudo o que vem (e não vem) na obra de mons. Alfeu dos Santos Pires, "História e Vida dos Seminários da Guarda e do Fundão", noutros estudos monográficos e em depoimentos de contemporâneos.
Evitou Vergílio Ferreira, na "Manhã Submersa", na "Estrela Polar", no "Diário" e na "Conta Corrente" descrever situações degradantes que lhe marcaram a infância e adolescência até aos 16 anos. Tentou resumir esse submundo de reacionarismo e de intolerância numa frase abrangente: «solidão, desconforto, rigidez de internato».
 
CULTURA DE HIPÓCRISIA
 
No entanto, a investigação de Arnaldo Saraiva reuniu elementos esclarecedores: «o dia-a-dia do seminário do Fundão favorecia por vezes menos a firmeza ou o fortalecimento da vocação do que a hipocrisia e os sentimentos de medo, culpa, frustração, desamparo e tristeza, que nem podiam ser expressos em cartas, porque estas eram obrigatoriamente entregues abertas; e, é claro, que nenhum seminarista recebia correspondência que não tivesse sido aberta e lida por um superior» E acrescenta: «os seminaristas não eram tão incentivados a usar ou a desenvolver as suas capacidades criticas como a cumprir e valorizar os deveres de obediência e de humildade». (pag. 22).
 
O PECADO DA CARNE
 
Todavia, ao caracterizar o espaço fechado e asfixiante do seminário do Fundão, Arnaldo Saraiva escreve: «o tempo diário gasto, sobretudo, em rituais religiosos» (...) «missa, terço, rezas, prédicas, exames de consciência e retiros, mais valorizados do que o tempo das aulas ou das salas de estudo». (...) «a regra do silêncio se impunha até nas horas das refeições». (...) E também as punições frequentes: «a imposição de uma disciplina militar ou militarista e castigando severamente mesmo pequenas infrações, que podiam merecer palmatoadas, verdascadas e bofetadas, ou largos minutos de joelhos e de pé virados para as paredes». (pags. 21 ,22).
 
Menciona a vigilância nos corredores e nas camaratas para afastar «o fantasma do pecado da carne» (sic): «as calças (obrigatoriamente pretas, como o casaco e a gravata) tinham de ser vestidas e despidas entre os lençóis; as mãos não podiam ser aquecidas nos bolsos; o entendimento entre colegas tinha de ser limitado para não conduzir a perigosíssimas amizades particulares». (pag. 23)
Estas medidas repressivas no domínio sexual e afetivo, e a que foram submetidas gerações sucessivasconcluiu Arnaldo Saraiva – não impediram, decorridos 90 anos, que o seminário do Fundão fechasse «as suas portas, em 2015,já depois de um escândalo que envolveu um seu vice-reitor». (pag. 51).
 
 
NOTAS CONFIDENCIAIS
Apesar do encerramento, amplamente noticiado na comunicação social, das declarações contraditórias de bispos da diocese, de processos-crime de pedofilia julgados em Tribunal e a aguardar decisões de instâncias judiciais superiores, perdura o arquivo do Seminário do Fundão. Possui fontes documentais, até agora, consultadas por um número muito restrito de eclesiásticos como Alfeu dos Santos Pires e de que só chegaram ao público informações escassas e muito filtradas.
 
Ao ter acesso aos livros de registos, Arnaldo Saraiva extraiu notas manuscritas e que constam de fichas de comportamento e aproveitamento (19281937). Trata-se de avaliações de reitores e professores, advertências de diretores espirituais e denúncias de confessores que seguiam, de perto, o percurso de cada aluno, em cada ano escolar. Também se destinavam a informar o bispo da diocese da Guarda José Alves Matoso.
 
Entre as observações mais significativas a propósito de Vergílio Ferreira destacam-se, nomeadamente; inteligência e aplicação «regulares»; caráter «afeminado e voluntarioso; tem muitos nervos, é um histérico»; e, ainda, por exemplo, faz «tratamento antissifilítico. É hereditária a doença». (pags.24 a 29)
 
Em Vergílio Ferreira, Seminarista nos seminários do Fundão e da Guarda, Arnaldo Saraiva desfez tabus, esclareceu equívocos, desmontou opiniões falsificadas, corrigiu datas e, em especial, recolheu numerosos documentos inéditos com revelações surpreendentes. Tudo isto porque Arnaldo Saraiva reconhece que, apesar dos livros sobre Vergílio Ferreira da autoria de Maria da Glória Padrão e Helder Godinho, de Serafim Ferreira e Fernanda Irene Fonseca, entre outros estudiosos, Vergílio Ferreira «espera ainda e merece, uma biografia digna», (pag. 7)

MANANCIAL PRODIGIOSO
O universo cadaveroso dos seminários - viveiro dos precursores da delação premiada – proporcionou a largos milhares de antigos alunos, que foram expulsos ou desistiram do sacerdócio, as habilitações indispensáveis para ingressar no funcionalismo público (Câmaras Municipais, correios, tribunais, Policia Judiciária, PIDE, etc) ou, então, nos cursos do magistério (primário, secundário e superior). No caso de Vergílio Ferreira serviu-lhe para fazer o liceu, entrar na Universidade de Coimbra, formar-se em Letras e lecionar, em diversos liceus, Português, Latim e Grego. A repetir, durante décadas, sempre o mesmo do mesmo.

O «exercício burocrático do ensino» – assim me declarou várias vezes – assegurava-lhe a subsistência económica e o equilíbrio financeiro. Cinco ou seis anos de vexames e de humilhações, nos seminários do Fundão e da Guarda, deram-lhe um prodigioso manancial de conhecimento vivido, para reflexões angustiantes em torno da natureza humana. Abriram caminho para se afirmar como um dos mais notáveis escritores portugueses do século XX e com legítima ambição ao Prémio Nobel da Literatura.

Ficheiros Secretos – por António Valdemar, [Jornalista e investigador, membro da Classe de Letras da Academia das Ciências], revista E, Expresso, 19 de Agosto de 2017, pp. 68/69 – com sublinhados nossos.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

[EXPOSIÇÃO] FIGUEIRA DA FOZ – 300 ANOS DE MAÇONARIA


 
300 Anos de Maçonaria. Símbolos e Ritos 1717-2017
 
DE: 5 de Agosto a 7 de Outubro 2017;
LOCAL: Museu Municipal Santos Rocha [Figueira da Foz];

 

 
Na Comemoração dos 300 Anos da Maçonaria dita “Moderna”, o Museu Municipal Santos Rocha, da Figueira da Foz, realiza uma Exposição Temporária sobre a efeméride. A sedutora Exposição, que está patente até ao dia 7 de Outubro, apresenta, além de peças do seu valioso núcleo maçónico, espécies bibliográficas raras (retiradas do seu acervo), uma curiosa linha de tempo maçónica (no mundo e nacional), descreve e percorre toda a rica historiografia maçónica no concelho (até aos dias de hoje) e mostra um templo maçónico, que merece um olhar atento. Haverá, em Setembro e Outubro, lugar a conferências e debates.
 
 

A não perder.

J.M.M.

domingo, 23 de julho de 2017

O SILÊNCIO DO FOGO NA VOZ DA DOR …


O silêncio do fogo na voz da dor… ” – por Nádia Piazza, in Público, 23/07/2017
“Estamos tão cansados, mas não podemos estar. Os mortos não se calam e não nos deixam cansar. Gritam por Justiça! Exigem Mudança!

A Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande, o grande, brutal e devastador incêndio que lavrou do dia 17 a 24 de Junho de 2017, nos concelhos de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra, é um movimento cívico que partiu dos familiares e amigos das vítimas mortais desta tragédia. Uma associação cujo mote é apurar responsabilidades e ajudar a construir um futuro em que tal tragédia e crueldade não volte a acontecer!
Esta é a descrição do que pretendemos ser, com a ajuda de todos e a lembrança de todos aqueles que partiram. Porque hoje somos uma comunidade traumatizada. Uma comunidade sujeita a uma tal brutalidade que não se nos apaga da memória... O cheiro a terra ardida é algo que nos envolve, que nos macilenta e que se entranhou em cada um de nós.

A perda de dezenas de vidas e de forma tão trágica que roça a loucura deixou uma sociedade e todo o seu contexto à volta num luto imposto. A vida acabou ali, naquela estrada para muitas pessoas. Inocentes. E acabou também parte de uma vida para os que ficaram. Os que ficámos, ficámos mais pobres, mais sós, apenas com o alento das memórias, mas com a revolta de toda esta situação. São filhos sem pais. São pais sem filhos... são casas sem gente, é gente sem gente, não é natural!
Olho à volta e as pessoas não se riem, choram sozinhas, acanhadas, não se olham nos olhos, com vergonha pela sua impotência, com medo; o cenário é deprimente e não nos ajuda a superar com dignidade a tragédia. O Inverno não tarda e com ele as ruas despidas de vida. Despidas de ainda mais vida.

Há rancor, ressentimento com o território e com as entidades públicas. O Estado falhou. A Nação não existiu.
Mas não falhou apenas nesta tragédia. O Estado vem falhando ao longo de décadas. O Estado padece de uma cegueira crónica, está enfermo de um tal sentimento de negação de si próprio. Nega o seu estado de país rural, um país orgulhosamente rural e por isso mesmo rico.

Enquanto Estado é um conceito frio, masculinizado, distante, de um ente que impõe tributos e leis aos seus súbditos, um amontoado de entidades supostamente hierarquizadas, com dirigentes supostamente competentes, e que supostamente deveriam cumprir e fazer cumprir um conjunto de leis e regras que se vão aprovando (ou não!) conforme as vontades políticas da estação. Assim se vai governando Portugal. Sem pactos de regime e visão a longo prazo. Vão-se puxando o tapete uns aos outros, não se apercebendo que, por fim, só restam cacos, dor e tristeza para governar.
Nação, por sua vez, é um conceito acolhedor, integrador, feminino, belo, quase maternal, que agrega o seu Povo e o seu Território. É o que dá sentido à reunião das pessoas num determinado território a que chamamos “a nossa terrinha”, “o nosso cantinho a beira-mar plantado”, a proa desta “jangada de pedra”. Portugal.

O Estado falhou nesta tragédia levando consigo o sentimento de pertença de Nação que tínhamos. O Estado não protegeu a sua Nação. Não assegurou o seu Território e com ele o seu Povo...
Fomos vítimas desta ausência insuportável de Estado. Ontem e hoje. Mas não amanhã. Porque já chega de incêndios que ceifam vidas. Incêndios como os de 2003, 2005 e Junho de 2017, e que contabilizam, até a data, 100 vítimas mortais em solo português, não podem voltar a acontecer. É hora de todos dizermos “Basta!”. Este Estado que não quer ver secou uma parte importante da sua Nação, aquela que moveu este país por séculos, o Interior.

A primeira muralha e frente de defesa do País no passado contra as invasões estrangeiras, o celeiro do País em tempo de vacas magras, o emissor de soldados nas guerras ultramarinas, o mercado de mão-de-obra barata em tempos de construção europeia... Quando o Interior e os seus recursos já não eram precisos, substituídos pela oferta de bens e serviços mais baratos, o Povo e o Território do Interior foram abandonados À sua sorte. Emigrem! E assim o fizeram, abandonados à sua sorte.
Não houve solidariedade em tempos de vacas gordas, não houve estratégia para o Território quando os dinheiros dos Fundos Estruturais Europeus chegavam a rodos. Foram anos de esquecimento, de esvaziamento progressivo e consistente das instituições regionais e locais, depois seguiram-se as empresas e, por fim, as pessoas. Sobreviver é preciso.


Foram sucessivas décadas de descaso com o Interior, de negligência com o Território, com a Floresta e a Agricultura. Tendo como consequência a emigração das pessoas em idade ativa, restando uma população envelhecida e empobrecida a exigir cuidados redobrados do pouco Estado que restou e que nos foi esventrado e sobretudo das autarquias locais e misericórdias.
Parecia propositado... o Interior tornou-se terra de ninguém, envergonhado de o ser, abandonado e, assim, por fim, vergado.

Deveríamos dar graças por nos termos tornado a maior região eucaliptizada da Europa... Fomos “agraciados” pela falta de oportunidade! O Território estava a saldos e ninguém quis saber.
O Interior tornou-se um canteiro de ervas daninhas, sem jardineiros — as suas gentes. Um barril de pólvora em que se soma a indústria do fogo institucionalizada e um qualquer ano eleitoral. Os ingredientes ideais para a tempestade perfeita.

A tragédia de 17 a 24 de junho de 2017 estava mais que anunciada. Foi apenas uma questão de tempo... e o tempo não pára! E com ele foram muitas vidas abreviadas. Cedo demais... Cedo demais!
Por ti, meu filho..."

O silêncio do fogo na voz da dor… – por Nádia Piazza, jornal Público, 23 de Julho de 2017, p. 3
J.M.M.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

LEITÃO DE BARROS - “O INVENTOR” [CONCLUSÃO]



O Inventor” [Conclusão] – por António Valdemar, in Caderno E, Expresso

LANÇAMENTO DE SALAZAR

Espectador e crítico dos primórdios do século XX, Leitão de Barros assistiu à desagregação da monarquia e a sucessivos episódios trágicos que derrubaram a República. Apoiou o consulado de Sidónio Pais e também o golpe de 28 de Maio de 1926, que implantou a ditadura militar e preparou a ditadura do Estado Novo. Participou no lançamento e consolidação da imagem de Salazar. António Ferro, por sugestão de Mário Barros a Eduardo Schwalbach, diretor do “Diário de Notícias” (Augusto de Castro estava, na altura, em Bruxelas, à frente da Legação de Portugal), fez as entrevistas, depois publicadas em livro e traduzidas em várias línguas, que revelaram os objetivos políticos de Salazar como chefe do Governo.
Leitão de Barros, diretor de “O Domingo Ilustrado” e de “O Notícias Ilustrado”, acompanhou essa promoção de Salazar e também a completou no cinema, por exemplo, em documentários acerca de algumas das instituições do salazarismo, como a Mocidade Portuguesa e a Legião Portuguesa. Enquanto esteve no jornal “O Século”, nos anos 30 e 40, entre numerosas iniciativas que desenvolveu, Leitão de Barros criou “O Século Ilustrado” e a Feira Popular de Lisboa; entrevistou Salazar e também, no Castelo de Bellevue, nos arredores de Paris, a rainha D Amélia, que enalteceu as obras do Estado Novo e a ação de Salazar.

O POLEIRO DE ‘OS CORVOS’
Leitão de Barros ficou na história do “Diário de Notícias” dirigido por Augusto de Castro. Fez crónicas e reportagens na Inglaterra, na Espanha e no Brasil. Mas, durante os 15 anos de permanência no jornal, assinalou-se fundamentalmente através da coluna semanal ‘Os Corvos’. Eram textos que se aproximavam da intimidade alfacinha introduzida nos folhetins do século XIX, de Júlio César Machado e Gervásio Lobato, e da mordacidade satírica de “As Farpas”, de Ramalho, e de “Os Gatos”, de Fialho.

'Os Corvos’ denunciam o temperamento irrequieto de Leitão de Barros. Ele conciliava a efusão lírica, a toada elegíaca e o entusiasmo patriótico com erupções irreprimíveis de sarcasmo. Era feroz — e regra geral oportuno — perante a mediocridade, o mau gosto e o vazio da pompa académica. Mas não ponderou a advertência de Fernando Pessoa num texto de acaso de Álvaro de Campos: “O poeta superior diz o que efetivamente sente. O poeta médio diz o que decide sentir. O poeta inferior diz o que julga que deve sentir.” Esse foi um dos erros que cometeu ao apreciar os poetas, escritores e artistas do seu tempo. E de outros tempos.
CERCADO DE INVEJAS

Os Corvos’ — de que há uma reduzida seleção, feita pelo próprio Leitão de Barros, em 1959 e 1961, dois volumes ilustrados por João Abel Manta — mobilizaram a curiosidade e interesse de milhares de leitores. Refletiam as tendências estéticas, os modelos literários e as opiniões políticas e sociais de Leitão de Barros, que registou de 1953 a 1967, no “Diário de Notícias”, o que ocorria na cidade, no país e alguma coisa do que chegava até nós.
Insistiu, alguns meses antes de falecer, na autópsia possível da realidade do Portugal que tivemos. Debatia-se com a degradação física, o envelhecimento progressivo, a consciência aguda da morte. Procurava ajustar ideias e projetos para enfrentar um mundo bastante diferente daquele em que assumira intervenção decisiva. Tinha propostas para Lisboa: valorizar a Avenida, recuperar Alfama, as ruínas do Carmo; cuidar dos jardins e dos miradouros; incentivar o turismo e a hotelaria; ajudar as crianças e os velhos.

Contudo, mesmo na agonia do salazarismo, eram outras as conceções na arquitetura, na urbanização, na educação e no ensino, na segurança social, nas exigências das populações. Em especial dos jovens.
Morreu, como viveu, cercado de invejas. Não lhe perdoavam nem o talento nem o êxito. Numa carta inédita — no espólio, a cargo das netas —, Eduardo Malta descreve, com minúcia, citando nomes, a sabotagem para inviabilizar uma votação para Leitão de Barros ser eleito sócio correspondente da Academia de Belas-Artes. Não era uma questão de currículo, mas aversão pessoal. Faltou-lhe até, naquela altura, para ter quórum, a solidariedade de uma pessoa muito próxima e da família. Em nova votação admitiram-no. Era tarde. Não tomou posse. Estava moribundo...

POSTERIDADE INEXORÁVEL
José Leitão de Barros, cidadão de Lisboa, falecido há 50 anos, a 29 de julho de 1967, recebeu as maiores homenagens e teve um enterro imponente, da Basílica da Estrela para um jazigo no Cemitério dos Prazeres. Estou certo de que ele gostaria de ter feito a notícia da sua morte e a reportagem do funeral, distribuindo os adjetivos de luxo para verter as lágrimas e acentuar as condolências

Teve honras na toponímia, com o nome numa rua em São Domingos de Benfica. É pouco para quem deu muito. Não é única a situação. Em diversas circunstâncias, já verificáramos outros casos de retumbante prestígio oficial ou oficioso que se eclipsaram decorrido meio século ou talvez menos. Mergulharam no esquecimento. O mesmo que envolve a memória de Leitão de Barros. Manter na íntegra, depois da morte, o protagonismo atribuído em vida não é fácil. A posteridade é inexorável
O Inventor – por António Valdemar, [Jornalista e investigador, membro da Classe de Letras da Academia das Ciências], revista E, Expresso, 15 de Julho de 2017, pp. 46/50 – com sublinhados nossos.

J.M.M.