sábado, 9 de dezembro de 2017

BARCA NOVA. SEMANÁRIO DEMOCRÁTICO PROGRESSISTA



BARCA NOVA. Semanário Democrático Progressista. Ano I, nº 1 (10 Novembro 1977) ao Ano VII, nº 241 (3 Junho 1983); Propriedade: Empresa Jornalística do Mondego, SARL; Administração e Redacção: Rua Nogueira da Carvalho, 1 r/c, Figueira da Foz (depois, Rua da República, idem), Porto; Director: Wilson dos Santos Nunes (depois, ao nº 104, José Fernandes Martins); Impressão: Atlântida Editora, SARL, Coimbra; Figueira da Foz; 1977-83, 241+2 numrs
 
Trata-se de um “semanário regionalista” democrático e progressista, politicamente militante na área da esquerda, que se publicou entre 1977 e 1983 na cidade da Figueira da Foz e que pretendia defender “os interesses das populações da Figueira da Foz e concelhos limítrofes”. E fê-lo com rasgado e impiedoso vigor de crítica política (o que explica alguma incomodidade ressentida pelo então situacionismo político local; afinal na provocação e no estar contra-a-corrente estava a máxima imperativa de Joaquim Namorado: “só a ortodoxia é uma aventura”) e uma graciosa ironia (o humor da pena de José Fernandes Martins era perfumadamente corrosivo); e tanto foi assim que logo no seu primeiro número (1977) foi objecto de “cortes” da censura. Teve como principais fundadores e orientadores ideológicos duas personalidades excepcionais, dois grandes amigos, dois grandes companheiros de jornadas culturais e políticas, Joaquim Namorado e José Fernandes Martins, ambos luminosos colaboradores da imprensa regional e nacional, quer nos periódicos República, Diário de Lisboa, Opinião, Diário e, principalmente, na revista Vértice.


O semanário era propriedade de uma curiosa sociedade anónima de responsabilidade limitada [Joaquim Namorado estava, certamente, consciente do que aconteceu à antiga revista “Vértice”], a Empresa Jornalística do Mondego [foi constituída aos 22 de Agosto de 1977] e os seus corpos gerentes eram assim formados: Conselho de Administração: Carlos Manuel dos Santos Neto (Pres.), Wilson dos Santos Nunes e Mário António Figueiredo Neto; Conselho Fiscal: Joaquim José Cerqueira da Rocha (Pres.), Armando de Oliveira Correia e Lídia da Silva Amaral Beja da Silva (efectivos) e José Augusto Alves Fernandes (suplente); Mesa da Assembleia Geral: Rui Pinto Ferreira Alves (Pres.), José Alberto de Castro Fernandes Martins e António Reis (secretários). Era impresso todas as quartas-feiras em Coimbra, na tipografia da Editora Atlântida; seguia depois para a Figueira da Foz, via comboio, nas mãos do recoveiro da CP, para as competentes provas de revisão ortográfica e tipográfica; regressava de novo a Coimbra e, findo o trabalho correctivo, partia no comboio matutino dos sábados para a Figueira da Foz para a sua cobertura local e envio pelo correio aos assinantes (sob direção de Adalberto Carvalho); é evidente a colossal aventura logística que exigia, o que não poucas vezes atrasou a distribuição (à volta de 2000 exemplares) do jornal.  


[Alguns Escritos] Colaboração: A. Esteves, A. Janeiro, Adelino Tavares da Silva, Alexandre Campos, Álvaro Bica, António Agostinho, António Augusto Menano, António Maria Carvalho, António Martins Quaresma, António Nascimento, António Oliveira, Armando Correia, Arménio Paixão, Augusto Alberto Pinto Rodrigues, Carlos A. Leal, Carlos Alberto Amorim, César dos Santos, E. Sousa-Abreu, Fernando Gomes Pedrosa, Fernando Lopes Graça, Gilberto Vasco, Guije Baltar, Helder Fonseca, Idalécio Cação, Joaquim António Carriço, Joaquim da Graça, Joaquim José Cerqueira da Rocha, Joaquim Namorado, Jorge Camarneiro, Jorge Leite, Jorge Rigueira, José Augusto Alves Fernandes, José Ferreira Monte [com inéditos], José Fernandes Martins, José Penicheiro, José Traqueia Bracourt, Leitão Fernandes, Leonor Santa Rita, Luís de Albuquerque, Luís Carvalheira, Luís Falcão, Luís Melo Biscaia, Luísa Maria Martins, Lucinda Alves Jordão, Luiz Francisco Rebello, Manuel Cintrão, Mário Castrim, Mário Dionísio, Mário Neto, Mário B. Ribeiro, Mário Reis, Miguel Andrade, Orlando de Carvalho, Pedro Biscaia, Rui Clímaco, Rui Namorado, Rui Santos, Ruy Alves, Teixeira Martins, Sant’Anna Dionísio [“Mondego e os Campos de Coimbra a Montemor”, nº78 e ss], Vasco Gonçalves, Victor Camarneiro, Vital Moreira, Vitorino de Nemésio, Waldemar Ramalho.
J.M.M.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

MANUEL DA SILVA MENDES: MEMÓRIA E PENSAMENTO


 
LIVRO: Memória da Silva Mendes: Memória e Pensamento | Ensaios de: António Aresta, Amadeu Gonçalves e Tiago Quadros

AUTOR: Manuel da Silva Mendes (1867-1931);
EDIÇÃO: Livros do Oriente, 2017, p. 600
LANÇAMENTO:

DIA: 6 de Dezembro 2017 (18,30 horas);
LOCAL: Fundação Rui Cunha (Av. da Praia Grande, Macau)
ORADOR: Jorge Morbey.

Trata-se da reedição da curiosa obra de Manuel da Silva Mendes (1867-1931), um dos mais proeminentes eruditos da história contemporânea e da tradição e arte de Macau, aqui no seu primeiro volume. Os textos de Silva Mendes, que era uma personagem multifacetada (advogado, professor, juiz, filosofo, antiquário colecionador, …), versam nesta copiosa obra os seus ensaios sobre Arte, Filosofia e Religião e Tradições Chineses, antes publicadas nos periódicos e em obra avulsas.



A obra é acompanhada de três ensaios sobre a figura de Silva Mendes, assinados por António Aresta, Amadeu Gonçalves e Tiago Quadros.

Manuel da Silva Marques, formado em Direito por Coimbra, era republicano e ateu, e tinha um notável cabedal de conhecimentos, ao mesmo tempo que era um curioso divulgador do anarquismo individual e metafísico e das suas doutrinas; parte para Macau só em 1901, dada a sua nomeação para professor do liceu (leccionava latim e português) e depois seu reitor, que manteve durante duas dezenas de anos; exerceu outras funções, até à sua morte em 1931, numa vida ricamente preenchida, com uma intervenção cívica e social local importante, trabalhando e tertuliando com alguns dos maiores vultos de antanho, entre eles o poeta Camilo Pessanha.  

J.M.M.

domingo, 3 de dezembro de 2017

IN MEMORIAM DE MÁRIO NETO (1942-2017)



O engenheiro e professor Mário Neto, cuja morte surpreendeu amigos e admiradores, partiu discretamente, como sempre rendilhou a sua vida, faz esta noite uma semana. Este nosso querido amigo, dedicado companheiro e mestre, não consentiu – na sua proverbial humildade – a homenagem pública que fraternalmente se impunha à admiração e respeito das suas avultadas qualidades humanas e que os figueirenses sabiamente lhe reconheciam. Partiu de rosto levantado, com a honrada obrigação do dever cumprido.

O falecimento do Mário Neto, leitor atento (e crítico) do Almanaque Republicano [como antes, do Almocreve das Petas], deixa-nos profundamente consternados: pelo saber que irradiava, na inteligência, bondade e generosidade intelectual que repartia e o engrandecia. Mário Neto, como tão bem disse [in Diário das Beiras, 30/11/ 2017] o nosso comum amigo Guedes Correia era “uma figura quase renascentista, ao estilo de Leonardo da Vinci ou de Pico della Mirandola, capaz de ter um discurso motivante e encorajador sobre a humanidade e sobre o mundo a partir da sua experiência pessoal, das suas leituras, das suas viagens”.

Mário Neto foi nosso distinto professor na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e, na lei que regula os destinos, tivemos o privilégio de nos ter honrado com a sua amizade e companheirismo. A sua intensa luz soube-nos aproveitar este tempo de utopias, essa “grande paz exterior das coisas” [H.H.] com a serenidade prudente que o sentimento de liberdade exige. E que Mário Neto tão ciosamente buscava, na sua perfumada independência e na benevolência do seu pensamento. O seu legado pela igualdade e dignidade dos Homens, de que era cultor irredutível, eleva-se admirável e eloquentemente. E não será esquecido.

Até sempre, Mário Neto.

Mário António Figueiredo Neto nasceu na Figueira da Foz a 19 de Fevereiro de 1942. Fez os seus estudos no liceu da Figueira da Foz até ao 2º ano, terminando depois o ensino secundário no Liceu D. João III (actual José Falcão). Entretanto foi um curioso desportista, do futebol à prática de ténis de mesa, representando nesta última modalidade o Ginásio Clube Figueirense. Partiu para Lisboa, matriculando-se no Instituto Superior Técnico [IST], em engenharia de máquinas, ou engenharia mecânica [o Núcleo de Estudos de Engenharia Mecânica data de 1960 e foi o primeiro e único a trabalhar até 1975].

Em Lisboa, residiu numa das várias “repúblicas” que pululavam à volta do IST, onde conviveu (e se fez amigo) com uma geração de estudantes messiânicos [dos católicos progressistas aos futuros membros da FAP/CMLP], intransigente contra a ditadura e o Estado Novo. O cinema (sua grande e eterna paixão) e a vida associativa moldaram-lhe o dom e o ornamento do seu carácter, assumidamente combativo contra a impetuosa repressão cultural e política do seu tempo. Frequentou, então, o movimento do cineclubismo, que dava os seus passos, assumindo a direcção (1964) do Cineclube Universitário de Lisboa [CCUL].  

A crise de 1964-65, consequência dos movimentos estudantis de 1956 e de 1962, torna-o activista consciente dos valores da democracia e da liberdade. O Partido Comunista, então em movimento de rectificação contra o “desvio de direita” [antes, Álvaro Cunhal, que se tinha evadido, com outros camaradas seus, do Forte de Peniche, foi nomeado secretário-geral do partido, em Janeiro de 1960], aprova, em Abril de 1964, o importante relatório, elaborado por Álvaro Cunhal, “Rumo à Vitória. As tarefas do Partido na Revolução Democrática e Nacional”, que marca uma nova linha política de combate e derrube do fascismo. A importância dada à conquista da direcção de movimentos culturais e associativos (caravanismo, cineclubismo, associação de estudantes e associações culturais em geral) é notória, visando politizar amplos sectores da população e em especial, mobilizando os estudantes, então ávidos de liberdade e modernidade [sobre este curioso assunto, veja-se: Guya Accornero, Efervescência Estudantil. Estudantes, acção contenciosa e processo político no final do Estado Novo (1956-1974), 2009]. Assim, Mário Neto integra-se nesse movimento, que irrompe à escala nacional (e sabe-se o efeito que teve na greve académica de 1969, em Coimbra; de outro modo, tenha-se em conta o começo dos protestos contra a guerra do Vietname, na Universidade de Berkeley, também em 1964) e, particularmente, no Instituto Superior Técnico     

No dia 24 (ou 25?) de Novembro de 1964, Mário Neto é preso na rua pela PIDE. Então na direcção do CCUL [cf.Liberdade para os Estudantes Presos”, 1º informação das Comissões de Apoio; antes já tinham sido detidos inúmeros estudantes de várias Faculdades, entre os quais Saldanha Sanches, Rui Faure da Rosa, …], Mário Neto (pseudónimo Cândido) é acusado de ser dirigente do PCP no IST, não tendo prestado à PIDE qualquer declaração [outros dirigentes então presos e acusados de ligação ao PCP, seriam: José Crisóstomo Teixeira (pseud. Gonçalo; controlaria superiormente as actividades da Faculdade de Ciências, IST, RIA, Belas-Artes, ISCEF, liceus e escolas técnicas), Humberto António Caria Lucas (pseud. Hugo; juntamente com o Mário Neto seria quem orientava as actividades do IST) – ver jornal República 28/01/1965, p.2 e 15].

No Aljube partilha a mesma cela com Mário Lino (Milo), Fernando Rosas (Rui) e outros mais, quase todos presos na sequência da vaga de prisões verificadas a 21 de Janeiro de 1965, por delação do controleiro do PCP para o sector estudantil Nuno Álvares Pereira [NAP] (pseud. Moreira – ver sobre este assunto, Irene Pimentel, “Vitimas de Salazar”). Refira-se que o caso NAP não esta completamente esclarecido, colocando-se a hipótese de ter sido, ele próprio, um infiltrado da PIDE. Por último, diga-se que a vaga de prisões verificada decapitou o sector estudantil de Lisboa do PCP e curiosamente, como AQUI referimos, deixou incólume o sector de Coimbra, então sob direcção de Valentim Alexandre, ou Vieira. Mário Neto é julgado em 11 de Agosto de 1965, no Plenário Criminal Auxiliar da Boa-Hora, tendo sido absolvido, saindo em liberdade (cf. Diário de Lisboa, 12/08/1965, p. 2).   

Depois de ter cumprido o serviço militar (onde esteve ás ordens de Vasco Gonçalves), lecionou em Almada e na Escola Industrial Afonso Domingues, tendo sido afastado por pressões políticas. Ao mesmo tempo que se dedicava ao ensino, terminou o curso em engenharia e, de imediato, matriculou-se e frequentou, com aproveitamento, económicas no ISCEF   

 


No regresso à Figueira da Foz, lecionou na Escola Industrial Bernardino Machado. Depois do 25 de Abril, manteve-se militante do PCP, integrando como deputado a Assembleia Municipal. Demitiu-se, em discordância política com o Partido, ainda quando era deputado pela Assembleia.

Mário Neto teve ensejo de integrar o grupo inicial desse curioso projecto figueirense, o periódico “Barca Nova” [semanário democrático progressista;1, 10 de Novembro de 1977 ao nº 241, de 3 de Junho de 1983], sob impulso (principalmente) de Joaquim Namorado e José Fernandes Martins, em torno da Empresa Jornalística do Mondego, SARL, tendo colaborado com textos e pertencido desde a constituição da sociedade, ao seu Conselho de Administração [juntamente com Carlos Neto, presidente, e Wilson dos Santos, que foi, ao mesmo tempo, o primeiro director].

Perto dos anos 80, Mário Neto é assistente convidado da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, ministrando a disciplina de Microeconomia. Aposentou-se em Dezembro de 2008.   
 
Mário Neto era membro do Grande Oriente Lusitano há mais de duas dezenas de anos, fazendo parte da Loja Fernandes Tomás, da Figueira da Foz.

Faleceu no final do dia 26 de Novembro de 2017.

J.M.M.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

ENCONTROS DE OUTONO 2017 - PARTIDOS E MOVIMENTOS POLÍTICOS (1910-1974)

No Auditório da Assembleia Municipal de Vila Nova de Famalicão realiza-se hoje e amanhã, 24 e 25 de Novembro de 2017, mais uma edição dos Encontros de Outono, organizados pelo Museu Bernardino Machado.

Este ano o tema central é Partidos e Movimentos Políticos(1910-1974).

O conjunto dos oradores promete um evento com grande qualidade. Vejamos alguns dos oradores e respectivas comunicações:

-24 de novembro (6ª feira)

9h30
Abertura
Dr. Paulo Cunha
Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão

Prof. Doutor Norberto Ferreira da Cunha
Coordenador Científico do Museu Bernardino Machado

10h00
Os partidos e grupos políticos na I República: uma visão global
Prof. Doutor Ernesto Castro Leal
Faculdade de Letras da universidade de Lisboa

10h30
O Partido Republicano Português (1910-1920)
Doutor Jorge Pais de Sousa
CEIS XX – Universidade de Coimbra

11h00
Debate
Intervalo

11h30 O Partido Unionista: um partido de Poder (1912-1919)
Prof. Doutor Norberto Cunha
Universidade do Minho

12h00
O Partido Evolucionista (1912-1919)
Doutora Ana Paula Pires
IHC/Universidade Nova de Lisboa

12h30
Debate
Almoço

15h00
O Partido Socialista (1910-1933)
Prof. Doutor Luís Farinha
IHC/Universidade Nova de Lisboa

15h30
O Partido Republicano da Esquerda Democrática (1925-1927)
Doutor António José Queiroz
CEFI/ Universidade Católica Portuguesa (Porto

16h00
Debate
Intervalo

16h30
O Partido Republicano Nacionalista (1923-1926)
Doutor Manuel Baiõa
CIDEHUS/Universidade de Évora

17h00
Da Liga de Paris ao Movimento de Unidade Democrática (1927-1945)
Prof. Doutor Fernando Rosas
IHC/Universidade Nova de Lisboa

17h30
Debate
Conclusão

 - 25 de novembro (sábado)

10h00
O Partido Republicano Liberal
Prof. Doutora Teresa Nunes
Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

10h30
A União Nacional/Acção Nacional Popular: partido único ou associação cívica do Estado Novo?
Prof. Doutor Luís Reis Torgal
CEIS XX – Universidade de Coimbra

11h00
Debate
Intervalo

11h30
O Partido Comunista Português (1926-1974)
Prof. Doutor João Madeira
IHC/Universidade de Lisboa

12h00
O MDP-CDE (1969-1974)
Prof. Doutor José Manuel Tengarrinha
Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

12h30
Debate
Encerramento

LOCAL: Auditório da Assembleia Municipal de V.N. de Famalicão (Paços do Concelho)

INSCRIÇÕES ATÉ 21 DE NOVEMBRO (mais informações 252377733)

NOTA: As inscrições e a participação nas conferências são gratuitas e dão direito
a um Certificado de Participação.
Acreditado pelo Centro de Formação Científica (CCPFC).
Grupos: Português e HGP (200); Português e Francês (210); Português e Inglês (220); Português (300); História (400); Filosofia (410); Geografia (420); Economia e Contabilidade (430). 
Creditação: 12h

Com os votos do maior sucesso para mais esta louvável iniciativa.

A.A.B.M.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

[18 DE NOVEMBRO * CENTRO CULTURAL DE BELÉM] – RAUL BRANDÃO REVISITADO – NOS 150 ANOS DO SEU NASCIMENTO E NO CENTENÁRIO DO LIVRO “HÚMUS”


Nos 150 Anos do Nascimento de Raul Brandão e no Centenário da publicação do livro “Húmus” – DIA LITERÁRIO RAUL BRANDÃO

DIA: 18 de Outubro (15,00 horas);
LOCAL: Centro de Congressos e Reuniões do Centro Cultural de Belém [Piso 1], Lisboa;
CONFERÊNCIA: Raul Brandão Revisitado;
ORADOR: António Valdemar (Academia das Ciências);

INTERVENIENTES: Leitura de Interpretação de Textos da obra “Húmus” por José Fanha; Ilustrações de Álvaro Carrilho.  

ORGANIZAÇÃO: António Valdemar / Centro Cultural de Belém.

“A personalidade e a obra de Raul Brandão estão associadas, em 2017, a dois acontecimentos relevantes: a comemoração dos 150 anos do nascimento do escritor e o centenário da publicação do livro Húmus.
 
 

As duas efemérides vão ser assinaladas com uma intervenção de António Valdemar sobre a criação do escritor, as figuras da época, os movimentos políticos, militares, sociais e culturais e ainda os locais do Porto, de Guimarães, de Lisboa, dos Açores e da Madeira, mencionados nos seus livros. Haverá, ainda, a leitura de textos de Húmus, por José Fanha.

A sessão será ilustrada com uma apresentação concebida pelo designer Álvaro Carrilho, autor de outros trabalhos  que tem efetuado, na última década, para a Academia das Ciências,  para o Grémio Literário, para a Biblioteca Museu da Resistência e da República e outras instituições culturais e cívicas.

Raul Brandão nasceu a 12 de março de 1867, na Foz do Douro, estudou no Colégio São Carlos e no liceu do Porto, frequentou o Curso Superior de Letras (1888) e matriculou-se na Escola do Exército, em 1891. Concluiu o curso, em 1894, tendo sido colega dos futuros Presidentes da República Sidónio Pais e Óscar Carmona.

Exerceu funções em Lisboa, no Porto e em Guimarães. Quando se encontrava nesta cidade, casou, em 1897, com Maria Angelina. Reformou- se do posto de capitão em junho de 1911.

Adquiriu, em 1912, a casa do Alto da Nespereira, na periferia de Guimarães, onde passava parte do ano (dedicando-se à agricultura) e a outra parte em Lisboa, primeiro na York House, depois em casa própria na Rua de São Domingos à Lapa, onde faleceu a 5 de dezembro de 1930.

Desde 1902, ao radicar-se em Lisboa, teve intensa atividade no jornalismo, no Correio da Manhã, no Dia e no República, dirigido por António José de Almeida.

Muitos dos textos das suas memórias foram redigidos, em forma definitiva, a partir de notícias, reportagens e crónicas publicadas naqueles e noutros jornais e revistas.
 
 

A sua relação com Teixeira de Pascoais data de 1914, colaborando na revista Águia e no movimento Renascença Portuguesa. Publicou Húmus, a sua obra principal, em novembro de 1917. Fez parte do Grupo da Biblioteca, quando Jaime Cortesão era diretor da Biblioteca Nacional de Lisboa. Pertenceu ao núcleo dos fundadores da Seara Nova. Frequentou o ateliê de Columbano, que lhe fez vários retratos, e as tertúlias da Brasileira do Chiado e da Bertrand.

Atualmente, a Relógio d’Água tem estado a reeditar Raul Brandão – em edições críticas e prefaciadas por especialistas na matéria – na série Obras Clássicas da Literatura Portuguesa, iniciativa da Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, com o patrocínio do Ministério da Cultura” [AQUI].
 
 

A não perder.

J.M.M.

domingo, 12 de novembro de 2017

ALLEGAÇÃO EM GRÁO DE REVISTA A FAVOR DOS MARTYRES DA PATRIA BENEMERITOS DELLA EM GRÁO HEROICO … POR MANOEL JOSE GOMES DE ABREU VIDAL



LIVRO: Allegação em gráo de revista a favor dos Martyres da Patria Benemeritos della em gráo heroico: condemnados a morte, e a degredos, e confiscos pelas nullas e barbaras sentencas proferidas em 15 e 17 de outubro de 1817: Com o relatorio que os espioes, e denunciantes mandarao para o Rio de Janeiro, e com a certidão extrahida do livro secretissimo da intendencia, offerecido aos homens que tem patria;

AUTOR: Manoel Jose Gomes de Abreu Vidal;
EDIÇÃO: Lisboa, Impressão Liberal,1822, p. 43.

 

Manoel José Gomes de Abreu Vidal foi Bacharel em Direito pela Universidade de Coimbra e advogado da Casa de Suplicação em Lisboa. Liberal, pertencente à facção exaltada da revolução de 24 de Agosto de 1820 [redigiu O Amigo do Povo, entre 1820-1821], em breve passou, com igual fervor, a defender os “princípios absolutistas” [cf. Diccionario historico, chorographico, heraldico, biográfico, …, vol7, de Esteves Pereira]. Escreveu em 1828 uma “acalorada diatribe” contra o Marquês de Palmela, Pedro de Sousa Holstein, numa curiosa Carta publicada só em 1829 [Carta primeira ao Marquez de Palmela, D. Pedro de Sousa Holstein, 1829], em que defendia a “legitimidade do infante D. Miguel”, porque entendia que D. Pedro “perdera por estrangeiro o direito á coroa portuguesa” [cf. Dicionário Bibliográfico, de Inocêncio F. Silva, tomo VI].
Não deixa de ser curioso o facto de o mesmo Gomes de Abreu Vidal ter, a 13 de Abril de 1821, apresentado um projecto para a redacção de um jornal “dirigido a formar unidade de opinião a favor do sistema actual”. E argumenta o mesmo Manuel José Gomes de Abreu Vidal em seu abono o não existir nenhum periódico a favor da situação, bem pelo contrário. O parecer, segundo a Comissão de Instrução Pública, foi remetido à Regência do Reino, para conhecimento. Ainda no decorrer das sessões das Cortes Gerais e Extraordinárias, Manuel José Gomes de Abreu Vidal foi preterido no recrutamento para redactor do Diário das Cortes [ver minuta do parecer da Comissão de Redacção do Diário das Cortes de 26 de Julho de 1821, apresentada na sessão de 27 de Julho], tendo sido considerado que os dois candidatos vencedores [Teotonio José de Oliveira e Inocêncio da Rocha Galvão] foram, entre os seis pretendentes, os que ela [Comissão de Redacção do Diário das Cortes] considerou "mais dignos, à vista dos documentos que juntaram”. Por sua vez, a 30 de Abril de 1829, Manuel José Gomes de Abreu Vidal, em audiência por D. Miguel, recebeu a medalha “com a sua real efigie” (com fita encarnada e orla branca) [cf. Gazeta de Lisboa, 1829, nº 103].
 
Manoel José Gomes de Abreu Vidal publicou, além do opúsculo acima referido, o seguinte: “O Amigo do Povo” (periódico político, 1820-21); Analyse da sentença proferida no Juizo da Inconfidencia em 15 de Outubro de 1817, contra o tenente-general Gomes Freire de Andrade, o Coronel Manoel Monteiro de Carvalho e outros, pelo crime de alta traição, Lisboa, Typ. Morandiana, 1820, p. 36; Os Homens de 1820 (?) / Carta primeira [e única ?] ao Marquez de Palmela D. Pedro de Souza Holdstein, Lisboa, Typ. Morandiana, 1829.
  
J.M.M

sábado, 11 de novembro de 2017

ALLEGAÇÃO DE FACTO, E DE DIREITO FEITA POR FILIPPE ARNAUD DE MEDEIROS NO PROCESSO, EM QUE POR ACCORDÃO DO JUIZO DA INCONFIDENCIA …



LIVRO: Allegação de facto e de direito feita no processo, em que por acórdão do juízo de Inconfidência, e Comissão, especialmente constituída, foi nomeado para defender os Pronunciados, como Reos da Conspiração, denunciada em Maio de 1817;

AUTOR: Fillipe Arnaud de Medeiros;
EDIÇÃO: Lisboa, Impressão Régia,1820, p. 158.

Filipe Arnaud de Medeiros [n. 1771 ?] foi Bacharel em Direito pela Universidade de Coimbra, advogado da Casa de Suplicação em Lisboa e, nessa qualidade, foi “escolhido para defensor oficioso dos acusados da Conspiração de 1817, denominada de Gomes Freire”, e entre eles o do próprio general, tendo ganho certa notoriedade [ver AQUI]. 

 
 

Filipe Arnaud de Medeiros foi um liberal que abraçou a política em 1820. No fim da guerra civil retirou-se à vida privada, tendo falecido na “obscuridade, em Lisboa, a 9 de Novembro de 1838. [cf. Diccionario historico, chorographico, heraldico, biográfico, …, vol1, de Esteves Pereira]. Amigo de António Feliciano de Castilho, cuja casa frequentava, tomou parte da Comissão encarregada da Nova Reforma Judicial (pelo Decreto de 22 de Novembro de 1835); era Cavaleiro da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa.  
De referir [ver AQUI] que Filipe Arnaud de Medeiros trabalhou arduamente em defesa de todos os réus, não lhe sendo possível fazer, em tão pouco tempo, o trabalho de tantos processos. Cumpre dizer que, relativamente ao general Gomes Freire não foi consentido que pudesse chamar outro advogado. Sabe-se o que ditou a sentença.


Filipe Arnaud de Medeiros publicou: Memória sobre a possibilidade e meios de pagar a dívida do Estado, Lisboa, 1820; Reflexões sobre os acontecimentos do dia 11 e noute do dia 17 do corrente mez de novembro de 1810 offerecidas à Nação, Lisboa, 1820.

J.M.M.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

NOS 11 ANOS DO ALMANAQUE REPUBLICANO


Assinalou-se ontem, 6 de Novembro, os 11 anos de existência do blogue Almanaque Republicano, conforme se pode confirmar AQUI.

Foram 11 anos de publicações mais ou menos regulares, feitas por dois cidadãos livre e democratas que tinham um objectivo de fundo começar por relembrar alguns eventos, figuras e organizações que estiveram na génese da República em Portugal.

Demos e vamos continuar a dar o nosso contributo para se compreender o Portugal contemporâneo: os escritores, os jornalistas, os intelectuais que marcaram o nosso País entre os finais do século XIX e o início do século XX. Divulgamos centenas de lançamentos de livros, centenas de colóquios, conferências, esboçamos biografias, recomendamos dezenas de jornais que se encontram disponíveis online e chamamos a atenção para a sua importância enquanto fontes históricas.

Foram feitas 3177 publicações. 
O contador interno do blogger informa-nos que até hoje houve 1 177 680 visualizações de páginas.  No último mês tivemos 11 000 visualizações de páginas.
Recebemos até ao momento 585 comentários que estão publicados nos milhares de artigos publicados.
O artigo mais visitado foi "Os Homens que Realizaram o 25 de Abril", publicado AQUI, com mais de 5600 visitas.

Para quem está profissionalmente activo por vezes não é fácil sustentar e actualizar o blogue e para nós também não. Civicamente activos e envolvidos nos meios onde residimos procuramos, dentro do que nos é possível, colocar informação que nos parece útil e actualizada sobre os mais variados assuntos de temática histórica. 

Em comunicações científicas surgem algumas referências ao Almanaque Republicano que nos honram, como AQUI, em trabalhos científicos como AQUI, AQUI, AQUI, AQUI, AQUI ou AQUI só a título de exemplo.

O Almanaque Republicano continua a manter a sua actividade, divulgando, assinalando, evocando episódios e personalidades que foram caindo no esquecimento e que devemos relembrar. Por vezes a disponibilidade para actualizar o blogue não é muito grande mas, desde há alguns anos que, através da rede social Facebook, partilhamos e divulgamos em vários grupos, eventos e apontamentos sobre algumas personalidades, livros e temas que se correlacionam com as preocupações que manifestamos inicialmente.

Relembramos o texto que serviu de mote e apresentação ao blogue e que se mantém pleno de actualidade:

"O Almanaque Republicano é um álbum onde se vai perfilar uma geração sonhadora, generosa e messiânica, que é afinal o nosso costumado fadário, o nosso "eterno retorno". Da República de 1891 e da outra de 1910 há uma imensa viagem de encantos e desencantos, de "coisa esquecidas e mortas", um itinerário de bondade, pessimismo, ironia e sarcasmo. Há nele todo um movimento que "carecia de alma", como diria Pascoes. Essa Alma Republicana, seja ela qual for, será sempre essa jornada emotiva e social, espiritual e libertária, de encantos e desencantos vários, crença ou saudade do Encoberto, reformadora e socialista, liberal e popular, que da decadência à regeneração marcam para sempre o "espírito lusitano". A "Nova Era" redentora, quer fosse construída no cantar antiquíssimo da Renascença Portuguesa ou ressurgida pela demanda da Liberdade, Igualdade e Fraternidade, ou intencional na exaltação da luta pela emancipação das classes trabalhadoras e em redor do movimento operário e sindical, não deixa de ser, sem dúvida alguma, um dos momentos mais interessantes da história da sociedade portuguesa contemporânea. Afinal, "Ubi libertas, Ibi Patria".

Sitio de passagem e de euforias públicas, jornada de mil caminhos que o tempo percorreu, o Almanaque Republicano é um panfleto aberto e frontal da Alma Republicana. E será, doravante, o nosso "companheiro de trabalho".
 

Esperemos que assim continue por muitos e longos anos.

A.A.B.M.
J.M.M.

domingo, 5 de novembro de 2017

[CONFERÊNCIA] O ALMIRANTE AUGUSTO EDUARDO NEUPARTH (1859-1925). CIÊNCIA E RAZÃO DE ESTADO



CONFERÊNCIA: O Almirante Augusto Eduardo Neuparth (1859 – 1925) Ciência e Razão de Estado;
DIA: 7 de Novembro 2017 (17,30 horas);

ORADOR: [Académico] Carlos Manuel Baptista Valentim;
LOCAL: Auditório da Academia de Marinha [Rua do Arsenal, porta H], Lisboa;
ORGANIZAÇÃO: Academia de Marinha.

Augusto Eduardo Neuparth, ilustre oficial da Marinha, engenheiro hidrógrafo (de que foi notável especialista, com vários e valiosos trabalhos realizados e publicados), republicano e maçon, Ministro da Marinha e Colónias (pertenceu ao último governo de Bernardino Machado), Director-Geral da Marinha e das Obras Públicas, presidente da Comissão de Pesca, director da revista “Pesca Marítima”, um conhecedor e apaixonado de assunto navais e da pesca marítima, nasceu em Lisboa a 11 de Outubro de 1859 e era filho de Virgínia Júlia de Oliveira Basto e do músico Augusto Neuparth (1830-1887)

[Augusto Neuparth (1830-1887) foi músico da Real Câmara, professor do Conservatório Real de Lisboa e da Real Academia dos Amadores de Música. Presidente da Associação de Musica 24 de Junho e do Montepio Filarmónico. Era filho de Eduardo Neuparth, também músico, e da sua segunda mulher, Margarida Boehmler (cf. Esteves Pereira, Diccionario historico, chorographico, heraldico, biográfico, vol1). Augusto Neuparth seguiu os ensinamentos de seu pai e aos 17 anos, estreia-se como concertista, entrando depois (1848) para a orquestra do Teatro de S. Carlos. Extraordinário executante de diferentes instrumentos musicais e excelente compositor (estudou música em Leipzig e Paris – aqui aprendeu saxofone, tornando-se exímio nessa arte), deixou-nos um curioso livro, “Lições de Harmonia, Contraponto e Fuga, …” (1853), além de várias composições. Foi professor do Conservatório (1862), seu secretário e delegado ao Conselho Superior de Instrução Pública, proprietário de um estabelecimento de musica na rua Nova de Almada, redactor (e proprietário) da revista musical “O Amphion”. Morre a 20 de Junho de 1887 e o seu funeral foi “imponentíssimo”]  

Augusto Eduardo Neuparth tomou praça na Companhia dos Guardas-Marinhas (1879), cursou na Escola Politécnica de Lisboa, na Escola do Exercito e na Escola Naval, obtendo carta de engenheiro hidrógrafo.
 
 

Seguiu a carreira de oficial da marinha (foi promovido a contra-almirante em 1917 e a vice-almirante em 1919), estagiou nas colónias portuguesas de Africa, dedicando-se ao estudo de assunto geodésicos, hidrográficos, topográficos e de pesca marítima. Embarcou como oficial de guarnição em diferentes navios, serviu de secretário de Brito Capelo na expedição ao Zaire, tomou parte em outras várias expedições. Em todas elas apresentou trabalhos de grande competência e valia científica. Refira-se, o serviço realizado no Real Observatório Astronómico de Lisboa, na direcção dos Trabalhos Geodésicos, Topográficos, Hidrográficos e Geológicos. Fundou e dirigiu a revista “A Pesca Marítima”. A sua obra bibliográfica é importante, pelos vários estudos sobre Moçambique, sobre a implantação de “faróis” ao longo da nossa costa (foi chefe da secção de faróis no Ministério da Marinha).

Augusto Eduardo Neuparth foi um republicano independente (porém perto de António José de Almeida, que curiosamente acompanha em missão ao Brasil, em 1922, na qualidade de representante da Marinha), adversário de Sidónio Pais, tendo sido preso, por isso, quando se encontrava a chefiar o cruzador Vasco da Gama (ao que parece, estaria integrado na revolta de 8 de Dezembro). Ao longo da sua carreira prestou importantes serviços à República desempenhando cargos navais nos Açores e na India, foi presidente da Comissão de Pescas, Ministro da Marinha e Colónias (1914), chefiou a base Naval dos Açores (1918), comandou o cruzador Vasco da Gama e foi diretor-geral da Marinha e Obras Públicas. Teve inúmeras condecorações pelos serviços distintos que realizou [ver Esteves Pereira, ibidem]

Augusto Eduardo Neuparth integrou o Grande Oriente Lusitano Unido, tendo sido iniciado na loja “Cruzeiro do Sul”, nº211 [Lourenço Marques; a loja praticava o REAA e foi fundada em 1900, mantendo-se em atividade até á clandestinidade; a loja maçónica “Cruzeiro do Sul” foi importante, tendo tido uma valiosa atividade profana, nomeadamente na fundação da Associação dos Velhos Colonos (1919), no criar da Escola Industrial de Artes Decorativas, ao patrocinar a Escola Comercial, bem como no fomento de associações de caracter social relevante] a 10 de Janeiro de 1900, passando a coberto no final desse mesmo ano [cf. António Ventura, A Marinha de Guerra Portuguesa e a Maçonaria, p. 79]

Morre em 24 de Agosto de 1925, na sua residência (rua Rodrigues da Fonseca) em Lisboa.        
 
J.M.M.

sábado, 4 de novembro de 2017

[CONGRESSO INTERNACIONAL] LUTERO – TESES – 500 ANOS



CONGRESSO INTERNACIONAL: 500 Anos - Lutero - Um Construtor da Modernidade;
DIAS: 9, 10 E 11 de Novembro 2017;

LOCAL: Fundação Calouste Gulbenkian [Avenida de Berna], Lisboa;
ORGANIZAÇÃO: Universidade Lusófona | Sociedade Portuguesa da História do Protestantismo.

Na Comemoração dos 500 Anos da fundação do “movimento da reforma protestante”, a Universidade Lusófona e a Sociedade Portuguesa da História do Protestantismo promovem um importante CONGRESSO, de âmbito internacional, sobre "Lutero: um Construtor da Modernidade”.

Durante três dias, na Fundação Calouste Gulbenkian, há lugar à apresentação e debate de um “conjunto de abordagens críticas sobre a relevância da Reforma Protestante como bem cultural e sobre a pertinência do seu pensamento na construção das identidades e representações da cultura europeia, em geral, e portuguesa, em particular” [AQUI], a partir de V Eixos Temáticos: Os percursos do longo século XVI; Teologia(s) da(s) Reforma(s); As Novas Fronteiras da Epistemologia; Reforma, Sociedade, Cultura; A Reforma para cá dos Pirenéus e para lá do Atlântico.

 
 

- "A 31 de outubro de 2017 passam 500 anos sobre o que pode ser considerada a fundação do movimento reformador do século XVI. Ficou para a história que nessa data em 1517 o monge alemão Martinho Lutero (1483-1546) afixou na porta da igreja do castelo de Vitemberga as suas 95 teses sobre as indulgências. Este momento veio a funcionar como arranque da Reforma Religiosa na Europa contribuindo para o subsequente surgimento do protestantismo e reorganização política, social e cultural do continente.

A Reforma Protestante não mudou apenas a história da religião cristã, transformou a Alemanha, influenciou a Europa e os outros continentes. Ainda que devedora a diversos movimentos precursores, enquanto mundivisão, plasmada tanto no espaço sagrado como no universo profano, sem ela não é possível compreender o seu próprio tempo mas também o que daí advém em termos de pensamento filosófico e mesmo da geocultura europeia que se desenvolveu nos últimos quinhentos anos. Da modernidade à contemporaneidade, o pensamento teológico mas também a literatura, a música, as artes plásticas, a educação, a economia, o direito e as ciências foram impregnadas pelo pensamento da Reforma. Quinhentos anos depois, que herança ficou da dinâmica reformadora? Que legado recebemos em nossas mãos? Que influência permaneceu viva até hoje?

O Congresso Um Construtor da Modernidade: Lutero – Teses – 500 anos pretende refletir sobre as múltiplas dimensões do movimento da Reforma, suas consequências e sua influência atual no mundo. Queremos ajudar a contribuir para (re)visitar o pensamento de Lutero como um dos construtores da modernidade, sendo esta uma oportunidade para inspirar tanto a memória coletiva europeia como o imaginário nacional. Além do seu capital religioso, sob forma de conhecimento e experiência humana, não podemos perder de vista os valores filosóficos e estéticos que nos ajudam a compreender tanto a presença como a ausência da Reforma Protestante no percurso intelectual, artístico ou cívico da cultura e sociedade portuguesa. Reconhecendo o pensamento de Martinho Lutero como um excecional objeto de estudo, a realização de um encontro científico visa promover o estudo sobre o papel e a influência da Reforma Protestante para a compreensão da nossa contemporaneidade.

O Congresso conta com a intervenção de teólogos, biblistas, exegetas, historiadores, filósofos, sociólogos e outros cientistas sociais que contribuam para a promoção de um olhar interdisciplinar sobre as marcas do pensamento que advém da Reforma, revisitando os seus princípios e valores, pelo que se assume como um exercício de cidadania que torna visível a nossa autocompreensão como indivíduos mas também “comunidade imaginada” [AQUI]
 
 

No que ao Almanaque Republicano diz particularmente respeito, registemos as seguintes comunicações / intervenções:

DIA 9: “Revisitando a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo, de Max Weber — ou sobre o interface da ideologia com o real” [Onésimo Teotónio de Almeida] | Reflexos da teologia de Lutero na cultura e literatura [Eduardo Lourenço] | “Martinho Lutero - Justiça e Liberdade” [Michael Knoch] | Protestantismo e judaísmo: Bíblia, Antigo Testamento e mecânicas de refundação e de eleição” [Paulo Mendes Pinto] | “As ordens religiosas e o espírito de reforma: a Reforma Luterana no quadro das reformas do cristianismo” [José Eduardo Franco]

DIA 10: “O Espírito da Reforma em Portugal” [Guilherme d’Oliveira Martins] |  “Padres e Educadores Católicos nas malhas do proselitismo protestante em Portugal” [Luís Machado de Abreu] | “Educação para todos na Reforma: Direito e Liberdade” [Wilson do Amaral Filho] | “Instituição-Escola e Reforma Protestante: Lutero e Plano Secular de Ensino” [Justino Magalhães] | “The Age of Mercy: Savonarola and Luther” [Luigi Lazzerini] | “Uma modernidade antiluterana: Nietzsche e a crítica ao espírito do capitalismo” [Gianfranco Ferraro] | “Protestantismo e Maçonaria em Portugal” [António Ventura] | “Protestantismo e Maçonaria em Espanha” [José-Leonardo Ruiz Sánchez] | “O Manuscrito contra os Protestantes do P.e João Baptista de Castro” [Manuel Curado] | “Escutismo e formação do cidadão: reflexões em torno da introdução do escutismo em Portugal no contexto republicano” [Joaquim Pintassilgo] | “Influências protestantes no movimento da Escola Nova” [Rita Balsa de Pinho]

DIA 11: “1517: A arquitetura e o discurso de poder em Portugal no tempo de Lutero” [Ricardo Silva] | “Protestantes e Jesuítas em confronto de doutrinas e representações: a visão paradigmática do Padre António Vieira” [José Eduardo Franco] | “Lutero e o jovem Marx” [Marcos José de Araújo Caldas] | “A cultura portuguesa e o protestantismo” [Miguel Real] | “Refrações do protestantismo na literatura portuguesa” [Annabela Rita] | “Lutero, Junqueiro, uma Vinha e um Senhor” [Henrique Manuel Pereira] | “1917 e Lutero. Há cem anos, coisas do diabo... ou do Pe. Júlio Maria De Lambaerde” [Alexandre Honrado] |  “A legitimação da autoridade segundo Lutero” [Rui Oliveira] | “ A Misericórdia e as 95 Teses de Lutero” [Teresa Toldy &  Rui Estrada] |  “Impactos de Lutero e da Reforma no Império Português: a Ásia e o Brasil (1520-1580)” [José Pedro Paiva].

J.M.M.