segunda-feira, 11 de maio de 2015

JOAQUIM MARIA DE OLIVEIRA SIMÕES (1880-1946)


JOAQUIM MARIA DE OLIVEIRA SIMÕES nasceu a 13 de Abril de 1880 em Salreu (Estarreja, Aveiro), filho de Francisco Maria Simões
[no inicio do século XX, em 1914, Francisco Maria Simões é proprietário do palacete, de Arte Nova, no Largo da Igreja de Salreu, construído sob projecto do arquitecto Ernesto Korrodi - de origem suíça mas naturalizado português e que deixou importantes obras arquitectónicas; Korrodi foi maçon, tendo sido iniciado na Loja “Trindade Leitão, nº 297, de Alcobaça, com o n.s. de Helvécio, passando para a Loja Gomes Freire, de Leiria (onde foi Venerável), terra onde veio a falecer em 1944 - o mesmo arquitecto que projectou a Casa–Museu Egas Moniz, em Avanca, construção de 1915],
de profissão negociante, e de Ana Rosa de Oliveira Rodrigues.
 
Palacete de Francisco Maria Simões, em Salreu
Em Coimbra, na Universidade, é bacharel em Filosofia e Matemática [cf. A.H.de Oliveira Marques, Dicionário de Maçonaria Portuguesa, vol II, col. 1352], seguindo a carreira militar, onde atinge o posto de coronel de infantaria, com o curso do Estado Maior. Foi um oficial dos mais “distintos”, com várias comissões de serviço público, tendo sido chefe de gabinete do Ministro da Guerra, em diversos governos. Esteve presente no CEP, em França, entre 1917-1919.
Foi eleito deputado pelo círculo de Aveiro [esteve na fundação do Centro Republicano Português de Salreu, participando na redação dos Estatutos - juntamente com Alberto Ferreira Vidal -, que foram aprovados a 15 de Junho de 1913. Refira-se que tinha o Centro uma Delegacia em Lisboa], nas eleições legislativas de 8 de Novembro de 1925, como democrático independente [foram eleitos, então, pelo círculo de Aveiro, além de Oliveira Simões (6365 votos), o Conde de Águeda (Cauda Monárquica, com 6153 votos), Alberto Vidal (Partido Democrático, com 5793 votos) e Manuel Alegre]. Foi nomeado Comendador em 1926, sendo agraciado com a Ordem de Torre e Espada.
Na construção do monumento ao Marquês de Pombal, Oliveira Simões teve lugar proeminente, fazendo parte da Comissão Executiva do Monumento [com Estevão da Silva, Custódio José Vieira e José Pedro Moreira], integrou a romagem ao túmulo do Marquês, realizada a 10 de Maio de 1933 [sobre o Monumento ao Marquês de Pombal, ver AQUI] e esteve presente [com Norton de Matos e outros] na inauguração do monumento a 13 de Maio de 1934 [dia que foi a última grande manifestação pública do GOL, Maçonaria Portuguesa, antes do decreto da sua proibição, datado de 25 de Maio de 1931]. Deixou algumas palavras [ver Diário de Lisboa, 27 de Fevereiro de 1934, p. 5] sobre o Monumento ao Marquês de Pombal, num curioso artigo, onde além de fazer a história do monumento, debate e insurge-se contra as acusações feitas de “atentado á estética” e outras mais críticas, entre as quais a existência de um erro de proporção entre a figura do Marquês e o leão.   
Joaquim Maria de Oliveira Simões foi iniciado na Maçonaria, em 1921, na Loja Liberdade, nº 197 do REAA, instalada em Lisboa [a Loja, fundada em 1896, seguiu em 1914 o Supremo Conselho de Grau 33, ou Grémio Luso-Escocês, regressando à Obediência em 1920], com o n.s. de José Estevão. Em 1928 atingiu o Grau 33 [cf. Oliveira Marques, ibidem] , desempenhando ao longo do tempo cargos relevantes no Grande Oriente Lusitano: pertenceu ao Grande Tribunal Maçónico e foi Grão-Mestre Adjunto (em exercício) entre 1928-30.
De facto, com a morte de Magalhães Lima (7 de Dezembro de 1928) sucedeu-lhe, por eleição no Grão-Mestrado, António José de Almeida, tendo como Adjunto, o coronel Oliveira Simões [eleição validada pelo presidente da Grande Dieta, António Augusto Curson, o dia 18 de Maio de 1928 – cf. António Ventura, “Maçonaria em Portugal”, p. 670]. No pedido de dispensa de António José de Almeida do cargo, dado se encontrar muito debilitado pela doença (morre a 31 de Outubro de 1929), os corpos gerentes do GOL dão posse [20 de Maio de 1929] ao coronel Oliveira Simões, ficando com o cargo de assegurar a direcção a Ordem. Na noite de 16 de Abril de 1929, quando o Grão-mestre Adjunto Oliveira Simões se preparava para dar uma conferência no Grémio Lusitano, em substituição do Grão-mestre Norton de Matos, o palácio maçónico é assaltado pela polícia e a GNR, a soldo da ditadura militar, sendo presos e identificados todos os maçons, dando-se início á “grande perseguição” [cf. Oliveira Marques, “A Maçonaria Portuguesa e o Estado Novo”, 2ª ed. 1983, p. 59]. A 1 de Julho desse ano, o coronel Oliveira Simões, na qualidade de Grão-mestre Adjunto dirige uma mensagem ao povo maçónico.  
 

O Palácio Maçónico ficou encerrado entre Maio e Março de 1930, tendo o Conselho da Ordem do GOL, sob presidência de José da Costa Pina [acompanhado por Inácio Pedro Quintela Emauz, Augusto de Matos Cid, Adolfo Jaime Sampaio da Luz e João Nunes dos Santos – cf. António Ventura, op. cit, p. 671], “determinado a triangulação imediata de todas as lojas” [Circular nº1, de 11 de Junho de 1929]. No dia 31 de Dezembro de 1929 a Maçonaria portuguesa elegia como Grão-mestre o general Norton de Matos, tendo como Grão-mestre Adjunto o coronel Oliveira Simões. Com Norton de Matos, ausente do país por motivos políticos [regressa em Agosto de 1932], a direcção do GOL coube inteiramente a Oliveira Simões e ao Conselho da Ordem. 
Na sequência da Lei nº1901 sobre as “Sociedades Secretas”, promovido pelo deputado monárquico e integralista José Cabral, no dia 4 de Abril de 1935, “antecipando-se à aprovação pela Assembleia [Nacional] do projecto, o Grão-Mestre Norton de Matos transmitia todos os seus poderes e funções ao Grão-Mestre Adjunto, Oliveira Simões” [cf. Oliveira Marques, ibidem]. No dia 18 de Maio, desse ano, é a vez do Grão-Meste Adjunto [ibidem, p. 62] “transferir todos as sua funções e poderes ao presidente da Grande Dieta [António Augusto Curson] que por seu turno, no dia imediato, os transmitia ao Conselho da Ordem, presidido pelo dr. Maurício Costa” [com a morte deste a 19 de Maio de 1937, passou a exercer a direcção do GOL, na qualidade de presidente do Conselho da Ordem, o dr. Luís Gonçalves Rebordão, deste o dia 12 de Junho, desse ano, até ao 25 de Abril de 1974]. Por sua vez, trianguladas as Lojas, o Conselho da Ordem confere [Decreto nº36] ao seu presidente “a plenitude dos poderes legislativo, executivo e judicial”, possibilitando a “operacionalidade da ordem em regime clandestino” [ibidem].
Joaquim Maria de Oliveira Simões viria a falecer, em Lisboa, na Rua D. Estefânia, nº 21, 1º andar (Arroios) a 24 de Maio de 1946. Era casado com Gracinda Lopes dos Santos Simões. O seu funeral foi acompanhado até ao cemitério do Alto de S. João por muitos cidadãos, amigos e correligionários, antigos deputados, oficiais de Exercito e da Armada, fazendo-se representar a Liga dos Combatentes da Grande Guerra por um grupo expressivo de companheiros de armas. O seu corpo ficou sepultado no talhão dos antigos combatentes da Grande Guerra [cf. Diário de Lisboa, 25/05/1946]
FOTO (no alto) via Junta de Freguesia de Salreu (Facebook), com a devida vénia

J.M.M.

2 comentários:

laura disse...


Era tio de meu pai, António de Almeida Simões e de meus tios Edgard e Otilia de Almeida Simões. Meu pai tinha grande consideração pelo tio e contava-nos muitos episódios da sua vida e deixou nos alguns documentos

JoseLuciano disse...

gostava de aprofundar o conhecimento sobre a vida desta tao nobre figura da minha terra, estarreja. seria possivel facultar-me documentos que acrescentem algo ao que conhecemos ou que clarifiquem alguma cronologia dos traços biográficos que acima se podem ler? grato ( jluciano2010@gmail.com)