terça-feira, 29 de novembro de 2016

DO IMPÉRIO POR CUMPRIR – JOSÉ ADELINO MALTEZ



LIVRO: Do Império por Cumprir, II vols;
AUTOR: prof.
José Adelino Maltez
;
EDIÇÃO: ISCSP, 2016.

LANÇAMENTO EM LISBOA

DIA: 30 de Novembro (18,30 horas);
LOCAL: ISCSP (Sala Monsanto), Rua Almerindo Lessa, Lisboa;
ORADOR: Dr. Fernando Seara

“Era uma vez um pequeno e velho reino medieval que, há mais de seiscentos anos, se lançou numa sucessão de impérios, procurando o "d’além", para salvar o "d’aquém". Depois da ascensão e queda dos impérios marroquino e do indiano, veio o império brasileiro. Um insustentável peso do passado que sofreu com o grito do Ipiranga e foi obrigado a gerir dependências na balança da Europa. Nas possessões coloniais, onde se conjugava o verbo ter, foi continuando o tráfico de escravos, mas não deixou de tentar o de mercadorias, indeciso, entre o sonho do fomento e a tentativa de venda das colónias. Assim, chegou o capitalismo colonial e até se procurou a ciência da colonização, com a partilha de África. Sofreu-se a bancarrota, gerou-se o protecionismo e sempre em guerras de ocupação, que se prolongaram com o patriotismo imperial dos republicanos. Não há mundo que nos chegue, nem Índia que tenha sítio na nossa esfera armilar. Portugal sempre foi mais do que o seu próprio lugar” [do I volume]
“Portugal que partiu já não pode regressar. Quem foi além de si mesmo, nunca mais pode voltar. Entre 1926 e 1976, a mesma entidade assistiu ao regresso ao d’aquém. O salazarismo, primeiro, ensaiou um Ato Colonial, que durou até às consequências da Segunda Guerra Mundial. Seguiu-se uma tentativa de regresso às províncias ultramarinas, com a oficialização de uma nova doutrina, o luso-tropicalismo. Finalmente, sucedeu-se a última das guerras coloniais. Com o Vinte e Cinco de Abril, deu-se o fim do Império da terra, pela descolonização, mas não tardou que se entrasse numa corrida à integração europeia, uma espécie de sucedâneo do velho Quinto Império. Mas a história continua. Fomos o princípio do caminho marítimo para o sonho de um novo mundo, fomos a primeira partida para todas as sete partidas e o último regresso de além mar. Somos ainda quem fomos e, na raiz do mais além, continuamos a procurar o mistério de um império, que não foi mas há de ser …”[do II volume]

J.M.M.

Sem comentários: