quarta-feira, 19 de setembro de 2007

NASCE-SE COM O BERÇO ÀS COSTAS ...


Nasce-se com o berço às costas ...

... como uma geba. A Beira Alta não tem símile no mundo. Em poucas dezenas de quilómetros reproduz-se a terra toda: amenidade e braveza, a colina e o vale, a civilização e a selvajaria. À volta da aldeia em que ergui a minha barraca, no Inverno uivam os lobos ao desafio com o vento. Bela fanfarra! Na Primavera alteiam-se do solo, pelos caminhos trilhados, flores que a botânica dos sábios não teve ocasião de descobrir. O rio, que produz as trutas mais saborosas do mundo, encrespa-se e figura ao fundo da planície uma hidra, a hidra raivosa e indomável que comia gente e só Hércules soube vencer. Em que me emprego eu na santa terrinha, a meio destas coisas eternas? Trabalho e, quando não trabalho, da música dos pássaros faço ripanço. Senhores, eu sou materialista e aguardo o fim com serenidade ...

[Aquilino Ribeiro agradece (palavras proferidas pelo escritor no banquete em sua homenagem, que se realizou a 29 de Maio de 1952 no Miramar Palace, de Copacabana, Rio de Janeiro) – in Aquilino Ribeiro no Brasil, Bertrand, 1952]

J.M.M.

1 comentário:

Carlos Gomes disse...

Como se sabe, o romance "A Casa Grande de Romarigães" constitui um dos mais notáveis romances de Aquilino Ribeiro. A referida "casa grande" é, na realidade, a Casa do Amparo, situada na freguesia de Romarigães, no concelho de Paredes de Coura. Pertenceu a seu sogro, o Dr. Bernardino Machado e ao sogo deste, o Conselheiro Miguel Dantas.
Lamentavelmente, o edifício não se encontra no melhor estado de conservação, apesar das cerimónias ali realizadas e das placas alusivas mandadas colocar por presidentes da República. Apesar ainda das referências literárias e sobretudo do interesse arquitectónico com edifício de referência para a região.
As sua janelas chegaram a exibir alumínios e o magnífico espigueiro desapareceu.
A propriedade ainda continua na família embora, ao que julgo saber, serve actualmente para alojar um negócio de produção de plantas para exportação. Pelo menos era o que se verificava há alguns anos atrás...